Ferdi

Juventude

Há urgência de amor entre os anseios         Que te incendeiam                                      As horas sempre azuis                               

Há quem te queira desvirtuar a vida            Roubando-te as estrelas que inventas-te     

Continua a sonhar de peito aberto              Nessa pureza que desbrada o mundo e a     Vida em cada instante será tua                   No jeito que o futuro te aprouver               

De mãos dadas entrelaçadas serás fruto o     Germén de florir a humanidade                    Na água do teu riso e de teu canto

 

A sós na Praia

Deixei os meu olhos lascivos poisar dobre o teu corpo de Sereia. Despi-te lentamente e foste minha na posse desse instante imaginário.

O teu corpo era o mar e eu navegueio sonhando que os meus braços eram remos sobre o azul versáti do teu corpo. Apenas eu e tú enchendo a praia de carícias sonhos leves como o tocar das mãos que se escondiam para além das dunas...

E alí ante-a imensidão dos longes jurando amor, enchi-te de segrêdos que as minha boca transmitia à alma...