FUNDODUETOS2

1 - Ferdinando/ Marlene Constantino

2 - Marlene Constantino / Ferdinando

3 - Marlene Constantino / Ferdinando

4 - Watfa / Ferdinando

5 - Milamarian / Ferdinando

6 - Ferdinando / Lígia Leivas

7 - Ferdinando / Fanny

8 - Ferdinando / Lígia Leivas

9 - Noris Roberts / Ferdinando

10 - Ferdinando / Marici Bross

1- RECORDAÇÃO 
©Ferdinando
 
No folhear das memórias esvoaçadas, eu diviso a
 beldade da tua juventude como primavera ridente.
Essa beleza que venceu o império da minha fantasia!
 Adornavas-te em aroma de jasmim como ternos sonhos...
onde as atrevidas borboletas alindavam o teu Ser.
 
Vieste como imagem de Deusa desenhando desejos
na magia do teu festim e no brilho do teu olhar casto...
esperavas-me no voejar de uma ansiedade impoluta
 benção terna como a brisa que me beija e se esvai
num percorrer de memórias, ficadas no distante.
 
O aroma das palavras aquecidas, no fogo da tua alma
a noite desejada das nossas núpcias, feitas de sonhos
 celebradas no nosso entendimento em abafadas palavras.
A luz da vida despertou em nós as horas nunca vividas...
o aroma de teu corpo cobiçado, ficou somente em saudade
de memórias ficadas no nada, como abafados lumes!
Venci a tristeza deprimente, abraçando o regaço da vida.
 
Germany 13-07-07

 RECORDAÇÃO
*Marlene Constantino*
 
Estas memórias tão mornas aqui dentro do coração
desprendem-se, criam asas, vôam alto num repente
enchem meus oceanos de saudade, indefinida paixão
enrroscada em minhas entranhas, és tu despertando.
 
Em movimentos mansos, lento, tiras-me do chão
elevas minh' alma num sonho extasiado de enígmas
inspira-me em luares de céus profundos e distantes
 faz-me buscar nos mares dos meus olhos a salvação.
 
Viestes aqui escrito em letras feitas de nostalgia
enfeitiçando meus ares com teus místicos aromas
transfomando minhas noites frias, num canto lírico
fincastes tuas pegadas neste chão outrora vazio.
 
Tu iluminas minha vida num renascer constante
num querer-te aqui tão perto a cada instante.
Navegas mansamente em meu sangue
fazendo das minhas memórias uma doce floração.
 
^A^Söl*



2 - DÁ-ME UM TEMPO
*Marlene Constantino*
 
Dá-me um tempo, apenas um tempo
para que a mente se faça claridade.
Para que nos lábios brote o interno
porque este elo veio com intensidade.
 
Permaneça pois, em tempo de espera
porque a alma voa , torna-se infinita
e por caminhos de encantos, perde-se.
 
Dá-me um tempo feito em minutos,
para que te alcance o meu abraçar.
Um tempo cheio de você, esperança
na minh'aura de luz, num balançar.

Dá- me um tempo, aqui dentro do peito,
que transforme-se num finito soprar
a levar-me, eterno, o teu coração tocar.
 
A^¤Söl*®
 
TODO O TEMPO
©Ferdinando

Tuas palavras se vestem de promessas,
No teu rosto casto, olho a luz do sol ridente
exacto gesto de anseio navegando em esperança,
mas dos teus lábios brotam hálitos de dúvida.

Fico perplexo olhando a alvura da tua alma,
como a lealdade cristalina dos nossos corações!
Dou-te afago em horas e minutos no desejo
até teus braços feitos em lianas me prenderem.

 Madrugadas de espera se transformaram em vida.
Dentro em ti morre a solidão fechada na distância
brotará o amanhecer em gesto de viver, que sorrirá
alegremente para te receber no sacrário do meu peito.

Germany 13-07-07

 

3 - OUTRA VEZ VOCÊ
*Marlene Constantino*

Um sorriso quase infantil acende

meu rosto neste sonho perfeito
de viver com você tudo outra vez.

ah! pudesse eu voar no horizonte
voava tão alto, te encontrava,
pousava mais uma vez aos teus pés..

Retomava essa história sem fim,
sem despedidas aqui dentro de mim.

Teu sorriso sempre foi o mais bonito,
encantou, fez crescer tanto o meu mundo,
Sem você, meu destino só se faz saudade.

Estar com você nas vezes que penso
já não me basta para saber você perto.
Quero mesmo é ficar com você outra vez.

Saber que amo você não é o bastante
para que a minha felicidade seja plena
preciso mesmo é caminhar do teu lado

Outra vez quero fazer-te bem feliz.
Só assim posso vir a ser luz, que acende
para sempre o sol nascente num horizonte.
 
^A^¤Söl*®
23/06/2007
 
 NOSSAS VIDAS
© Ferdinando

No sorriso sempre acesso em teu rosto
Que promete futuros de beijos sem limites.

Serpenteava-mos nossos sonhos louros
no etéreo puro como a tua alma, sobre
 silêncio de margens que se fecham em segredo...

A vida que nos grita, é o fervilhar eminente
 dias nas margens do tempo escrito pela vida
do sol desprendido do teus lábios cor de romã
 tornando o nosso mundo tingido de bonanças!

Estaremos sempre unidos em nosso Universo
em idílio, segredando em nossos peitos....
saber que te amo, é o alento para o amanhã
na árdua vida para mãos dadas em floração...

Seremos a luz terna da felicidade, enchendo
o trono de um amor feito dos beijos que trocamos,
e que o raiar do sol seja cada dia mais quente
 alimentando sem limites a fogueira da felicidade!

Germany 24.06.07 


4 - LUZES E OLORES
Watfa

Iridescentes luzes perpassam meus poros,
inflam a rede azul que palpita sob a pele,
se lançam ao longo do líquido rubro, tépido,
até alcançarem e iluminarem minh´alma...
Meu corpo etéreo, na sua languidez morna,
estremece em eflúvios de prazer contido
que, em cores e perfumes, se espalham;
caminhos tortos, na esmaecida esperança
de a ti chegarem... E que te comovam!
Na suavidade deste meu espaço branco,
teu toque gentil há de roçar minha pele
e os laços se atarão em acetinadas tiras.

 
FRACÇÃO DO TEMPO
© Ferdinando 

Deixei o meu olhar lascivo beijar os poros
quentes que adornam tua pele macia, alicerçando
a fronte solar do teu corpo puro, e com esmero
construir a nascente solar para teu clarear celeste.

Ser livre, sem trevas, como liberto raiar do sol
sem as turbulentas tempestades que volteiam a vida,
sobre os caminhos tortuosos em negrume de nadas,
 que falam fluidas esperanças, nas margens do tempo.

O teu espaço se veste de palavras, que gritam em meu
redor no cheiro da tua pele sedosa, vinda do som
onde o brado da tua voz em gesto anónimo de grito
chegará até mim, em acariciados e cândidos espaços!

Germany 25-06-07

 

VEMOS
©Ferdinando
5 - NOSSA POESIA
Milamarian

Quando diviso nosso passado
vejo-te translúcida luz a mim sorrindo
semente brilhando no fim do labirinto
poesia liberta do meu substrato!

Não sinto o frio do verso indistinto
nem mais o ambarino perfume dos rios
o gris das paragens se torna vazio
àquela tua palavra em mim intervindo.

E na oração que em saudade recresce
sinto o olhar que distante me vela
é círio de amor que não escurece!

E silente minh'alma ainda te encontra
na suspensa candeia de uma quimera
entregue à sombra da alva congonha.

Japão - 25.11.2006
 
 
 OS VERSOS QUE ESCRE
Lembro-me ainda amiga outros dias,
onde o centro do mundo nos olhava radiante
numa constante solidez que nos irmanava,
num liberto poetar ditado pela nossa modéstia...

 O calor que aquecia o nosso transparente versejar,
nos recantos e riachos, em florestas ingénuas,
como virgens no cantar, das nossas palavras
em promessas mudas, que levantam estátuas!

 Hoje essa saudade ficou moldada no meu peito
no vago distante que o tempo guarda ainda,
como a luz da amizade, que nunca escureceu,
no jeito das tuas palavras gravadas ainda em mim!...

Encontramos ainda os versos que escrevemos
em folhas amarelecidas pelos anos idos...
mas que a luz fulgente, no tombear dos tempos
seja a eterna claridade nas trevas da angústia...

Alemanha 25.11.06
 
  
 

6 - ESSÊNCIA 
©Ferdinando
 
Vida! Felino e incompreendido cativeiro
enlouquecido folhear de prantos roucos
ontem inebriante luz, hoje irracional holocausto
 silabado de granito em perícia estéril e intrigante.
 
Metafísica exaustiva que semeia ininteligíveis ditos
em escárnio corrupto nas cansadas horas,
precoce leveza feita em gangrenas asquerosas...
transparente amanhecer, que tapeia os dias em ficção!
 
Devasso honorário vencido, dias feitos de inutilidade.
Ardilosas sagas, presságio de visagem que extasia
em beijos de fera, estilando em gritos avaros impérios
 
Complexo cósmico, insolência de riachos pródigos
sigilo em desejos furtados, vertente feita de mitos
mentira que jura plácidos sonhos em ardilosa fraude!!!
 
 Germany 29.05.07
 
 
 O ESSENCIAL PERMANECE
 Lígia Antunes

Quando a vida já não for mais vida
e se fizer apenas brumas e recordação
na tênue e sutil memória da humanidade
que percorre as esperanças escarpadas,
tu - homem! - serás essência
da alma tua que aqui passou.
 
Quando o mundo for só pedras desfeitas
e não tiveres mais por onde conduzir teus passos,
tu - homem! - serás apenas restos de ti mesmo...
Morto e apodrecido, tudo em ti terá perdido a validade
mas se alguém ainda assim te guardar na lembrança,
que seja para louvar a essência tua que aqui ficou.
 
Pelotas, RS,BR
31.5.07/ 01:00h
 
 
 

 7 - PERDURÁVEL
© Ferdinando
 
Espero-te no etéreo azul onde habito triste
na mansão do amor eterno como o tempo,
na laje vazia que cobre meus ossos frios
 ficam somente as rosas que lá deixas cada dia.
 
Na beleza da tua alma em gesto de primaveras
em verdura de vida que vivemos outros dias,
no palácio de amor em quatro paredes como asas...
 desejo de sermos o rosto, incendiado de eternidade.
 
Na vala onde semeias os teus prantos, distâncias
de memórias que não morrem, neste finar aparente
 que semeia em mim colinas, de ansiados minutos.
 
 Te aguardo em corpo de nuvens no azul mais puro
 como as estrelas dos teus olhos, em noite serena
 para a continuação da alma liberta do corpo cansado!
 
GERMANY 22.05.07
 
 
 AMOR [E]TERNO
*Fanny*

Escuto os cânticos plangentes do teu espírito,
brisas delicadas murmuram o teu amor...
ameno enlevo afagando este pesar infinito...
meigas lembranças atenuando esta imensa dor.

Embrenho-me nos jardins em flor partilhados...
Sinto a fragrância dulcificada dos teus versos...
Poemas [e]ternos que hoje decifro, declamados
nas alamedas resplandecentes do Universo.

Ah amor... não sei como tolher este pranto...
lágrimas escorrem no vazio da tua ausência,
gotas tristes do coração... em desencanto.
 
Colhe as flores da minh' alma enamorada
sempre em ti enleada.!...Aguardemos o instante
em que a união sagrada abrace a mesma morada.
 
 
 
 8 - RECLUSÃO
©Ferdinando
 
És aquela a que a vida plantou atrás de muralhas de pedra
ferida pelos sentimentos que golpearam a beleza do teu ser
sorriso que secou em teus lábios, fértil rubro que em suspiro
trespassava teu peito como setas de fogo, em dor reprimida.
 
És a Musa encarcerada entregue ao nada, na sombra como
réstia de sol na masmorra fria, sentença da infame mentira
olhar do mundo que te traiu em indolentes vertigens de pedra,
apunhalando-te a alma que sangra horas vividas em delírio...
 
Vives teus dias por detrás do negrume que estremece o tempo
nos destroços no teu coração, onde gerou a ilusão do beijo casto,
ardilosa fraude num horizonte misterioso em badalar plangente!
 
O sol no vitral te invade em saudades dos dias felizes em promessas
ilusórias espalhadas pelo vento, resto de amores feitos de angústia
recordação como fantasma, que grita em sequestradas memórias...
 
Germany 10-06-07
 
 
 IMPIEDOSA RECLUSÃO
Lígia Antunes

Quem compreende meu gosto de sonhar
se a vida ou o destino ou outro desconhecido fado
me fizeram reclusa desses próprios sonhos?
 
Houve um dia ou algum segundo... (já nem sei)
ou foi em qualquer hora desta vida inglória
em que a paixão em fios de ouro me assomou
e a ela assim tão loucamente me entreguei!
 
Enclausurei-me, capitulei, rompi a lei
por irremediável, por incontrolável este meu sentimento!
E sem limite e sem censura e sem qualquer "Basta!",
estranhamente me apaixonei!
 
Tudo que quis dizer em palavras mui seletas,
não consegui, guardei nas fendas do meu coração
que cuidadoso, cordial, habilidoso,
foi tão bondoso!...Não as extinguiu!
 
Minh'alma prendi a esse amor imensurável
e de mãos dadas com ele prossegui...
Mas na masmorra de um silêncio impiedoso
juntei mil cacos de emoções estilhaçadas.

Pelotas, RS,BR
Domingo,10.6.07 - 14h15min

 

9 - LO QUE TÚ NUNCA SABRÁS…
© Noris Roberts

Colgada mi mirada,
palpita desquiciada mi alma.
La noche transita en la desnudez de mi aliento
y vuelvo a encontrarme con mis oscuros pensamientos.
Urgente mi voz,
a gritos sollozo su dolor.
El eco triste persiste…
Yo pensé que tu amor era factible.
Me vierto sobre tu sombra vaga
escuchando el silencio que me sabe a nada.
Deslizándome entre tus esquivos brazos
suplico asilo en tu regazo,
aunque sea en vano la invocación que te hago,
y a solas exhale el último suspiro del aquel febril verano.
No intentaré borrar el pasado.
Ni los bellos momentos que pasé a tu lado.
Fingiré una sonrisa al verte pasar.
Ahogaré mis ilusiones imaginándote amar.
Cerraré los ojos detrás de los velos de mi ventana…
e intentaré recorrer los predios de tu alma.
Lo que tú nunca sabrás...

O que tu nunca saberás…
Pendurada minha mirada,
palpita desquiciada minha alma.
A noite transita na nudez de meu alento
e volto a encontrar-me com meus escuros pensamentos.
Urgente minha voz,
a gritos soluço sua dor.
O eco triste persiste…
Eu pensei que teu amor era viável.
Verto-me sobre tua sombra vadia
escutando o silêncio que me sabe a nada.
Deslizando-me entre teus esquivos braços
suplico asilo em teu regaço,
ainda que seja em vão a invocação
que te faço,e a sós exale o último suspiro do aquele febril verão.
Não tentarei apagar o passado.
Nem os belos momentos que passei a teu lado.
Fingirei um sorriso ao ver-te passar.
Afogarei minhas ilusões imaginando-te amar.
Fecharei os olhos por trás dos véus de minha janela…
e tentarei percorrer os predios de tua alma.
O que tu nunca saberás...
©Noris Roberts /Venezuela

O QUE TE QUERO DIZER...
©Ferdinando

Sempre soube dos nossos sonhos de cambraia
que cobriam paisagens de dias em pensamentos
mútuos, no arvoredo triste da vida.
Nunca me falas-te, mas eu sei do soluçar que te vencia
nos momentos tristonhos, que o viver nos sentenciava...

Nunca soubes-te das horas, onde o pesar da Saudade
do teu nome, que entristecia a moldura do meu sorrir
e me roubava horas felizes na aurora de cada dia...
não chores, pois o amanhecer será a despontar do sol...
de uma saudade que é hoje o grito futuro para nossas vidas.

Nosso sorrir perdido nas distancias de outras eras,
é agora um círio nas noites feitas de negrume.
Não finjirás jamais um sorriso quando passo
por detrás das tuas cortinas onde chorou a tua alma...
divisamos agora o nascer do sol da felicidade,
como as flores no asseio de cada primavera,
para te florir a vida que mereces...

Germany 15-1-07
 
 
 
  Este poema foi pensado na rua olhando toda a gente,
escrito a sós olhando-me a mim mesmo...

10 - SEJA O POETA A LUZ DA VIDA!...
Ferdinando

Sejamos a promessa no arfar da esperança.
Sejamos o sol para aquecer o frio da mentira,
mostrando ao mundo a igualdade prometida
como o ouro das estrelas no infinito!...
Sejamos a certeza de um porvir mais terno...
Sejamos a luz na escuridão assustadora,
semeamos o amor nos corações mais tristes,
como o desejo de sentir horas de amor...
Levemos um sorriso a cada casa triste
a cada coração magoado uma canção de amor,
onde o sol seja o mundo das palavras
sem a fria linguagem da indiferença!...
Sejamos o bradar dos sonhos desejados
na alma triste onde se escreve vida!
E na haste despida do arvoredo humano,
sejamos um alento em cada futuro...
e que a força desmedida da nossa liberdade,
externe as horas mortas de avançada idade!...
Nas noites dos ventos insondáveis,
seremos a força que edifica o Universo!

Germany
 
 SOMOS... LUZ!
(Marici Bross)

Somos a luz que permeia
Nosso viver e a expandimos
A todos os que nos rodeiam
Nisto podemos nos estender
Mais e mais num abranger
Cheio de Luz e Amor
A todos os seres humanos
Recebemos esta Luz de nosso Criador!
Portanto somos responsáveis, por nossos atos.
Nosso Criador permite que todos a recebam
Mas poucos a aproveitam
Então, meu amigo... Sejamos
Distribuidores desta Luz!
Em tudo o que fazemos
E para êste universo
Tão carente, violento e sem amor.
Sejamos LUZ!

SP-BR,14-09-06 - 13:25h.

 
 


 

LIVROVISITAS
rosadourada