1 - Ferdinando - Ligia - Katarina Madeira

2- Ferdinando - Odir (olkima )

3 - Ferdinando - Theca Angel

4 - Ervin Figueiredo - Ferdinando

5 -Ferdinando - Odir (Oklima)

6- Ferdinando - Odir ( Oklima )

7- Maria Thereza Neves - Ferdinando

8- Maria Thereza Neves - Ferdinando

9- Ferdinando - Maria Thereza Neves

10- Ferdinando - Theca Angel

1- INCERTEZA...
Ferdinando©

O vento geme sobre o alongado cipreste
Que se esconde por detrás das casas,
Filtrando raios de sol e desespero,
Nas horas escritas dos nossos dias,
Paradas na noite, onde insectos falam.

Nas ruas tingidas do nosso sangue,
Morreram promessas de cidades
Em cada minuto, feito de criança.

Inventam-se jornadas sem futuro,
Que magoam a nossa magra esperança.
Tantos gritos em progresso primitivo,
De histórias repetidas de façanhas.

Fala o homem sobre o rubro do mundo
Onde se desata o espanto do meu gesto...
Ante a primavera que não chegou a florir,
Pois as rosas nasceram desfolhadas!

Germany 03-10-10


 

PELA PAZ
.
Poeta !
Lígia Antunes Leivas

Não vale a ventania dos sonhos
nem a calmaria dos ventos.
Não vale a placidez dos lagos
nem o brilho sideral.

De nada adianta cantar o verso
ou traçar o poema lírico
se a teu lado tens teu irmão
que chora e clama por piedade
e cai combalido, desfalecido
atingido pelo clamor do canhão
pelo míssil programado
que ceifa vidas inocentes
que correm pelos campos
pelas ruas, pelos bosques
na fuga ensandecida
do amargo da dor.

Seres que sofrem...
Nem sabem eles
que a injusta justiça
de insensatos comandantes
disfarçados de governantes
manipulam vidas
qual marionetes no palco.
.
POETA !
És artista das palavras !
Burila-as !
Espalha-as pelos recantos
do mundo que te escuta !
É ela - a tua PALAVRA ! -
por paradoxal que seja,
a mais pacífica arma
capaz de ganhar as guerras
e distribuir a PAZ !
.
Lígia Antunes Leivas
Embaixadora Universal da Paz
Pelota



Em Nome...
            *Katarina Madeira*

Em nome da Lei se julga
Se condena e se intimida

Em nome de um País
Fazem-se guerras sem fim
Fomenta-se a fome
A miséria e a discórdia
Aumenta-se a poluição
Destrói-se o Mundo
Incute-se a corrupção

Em nome de falsos moralismos
Julgam-se os homens pela cor
Discriminam-se os diferentes
Criticam-se os inocentes

Em nome do que se quer
Mente-se sem preocupação
Com cinismo até mais não
Deixando no chão espezinhado
Qualquer pobre cidadão

E os Direitos do homem???
Será que não teem nome?
Em nome desses Direitos
que podemos nós fazer?
Gritar, lutar, debater
para quem os entender

Em nome do meu coração
Gritarei a vida inteira
Por o que julgo correcto
Por o que sonho e anceio

Se de louca for chamada
Por os ideais que tenho
Serei apenas mais uma
Num mundo débil e insano

Barreiro - Portugal

 

2- DELAÇÃO
Ferdinando©

Há medos espalhados pela noite
Arrefecendo a luz do nosso olhar,
Os ventos de nuvens, em açoite
 Entorpeçam o nosso caminhar!...

O choupo se torna alongado
Cortejando o silêncio da ermida,
E o luar se senta ao nosso lado
Num gesto que adoenta a vida.

Na paz, onde há choro calado,
Grita ainda um sonho matizado...
- a vida é o eterno par da morte;

A alma é um livro de memórias,
A crina de um cavalo de vitórias,
Na louca aventura de ser forte!

Germany 19.04.10



A LIBERDADE DO NADA
Odir, de passagem

Em meu corcel cavalgo a liberdade
estimulada pelo espaço aberto
entre os sonhos sortidos de saudade
e o pensamento, que me faz desperto.

Meu caminho é de paz. Em paz, quem há de
sentir distância estando a paz por perto?
De senso e de saudade eu sou metade
e da outra metade eu sou deserto.

A vida que se vai me leva à frente,
no silêncio da noite enluarada,
numa contínua e comunal corrente.

Cansa meu corpo a crua caminhada,
cansa meu credo a cavalgada ingente
da liberdade de não ser mais nada...

oklima
JPessoa, 19.04.10

3- HIPOCRISIA
Ferdinando ©

Desces na noite abraçando o tojo
Dançando aos olhos da desgraça,
Caminhas pela lama a meter nojo
Como bruxa descalça pela praça.

A tua febre semeia só vingança
Com disfarce no mundo do amor,
Escureces a estrada da esperança
Como cardo pisado em teu louvor!

Vestes as palavras de promessas,
Como o rio que cursa às avessas
Perdendo para sempre a sua foz...

Um dia esconderás teu frio rosto
Cansado, e pensativo, ao sol posto
Num choro que grite já sem voz!...
Germany 20-05-10


FRIEZA...
Theca Angel

Não compreendes minha descrença
Não atinas com a amargura
Perdida jaz, da fé, a pertença,
No dissolver de tua ternura.

Pensas na tormenta vingativa,
Imaginas máscaras ao amor,
Crês incólumes tuas assertivas...
Teu frio deserto ignora a dor .

Promessas viste no olhar premente?
Rios de ilusões a cair ardentes
Nas lágrimas derramadas em vão?

No pedido por erro não concebido
Estaria a absolvição do banido
Na misericórdia de um perdão .

BRASIL 20-05-10

4 -SEM VOCÊ

Um pensamento, uma saudade,
Pelas ruas não mais te vejo,
Tua lembrança no peito arde,
Você se foi, sobrou desejo...

Sigo te amando, você nem liga,
Me sinto só, já não te importa,
A dor que dói, ninguém mitiga,
Até pareço uma folha morta...

O teu perfume me lembro bem,
Aroma doce que a rosa tem,
Ficou em mim e não sai mais.

As mãos procuram ainda por ti,
Minha alegria, o que me faz ri,
Mas, sem você, não tenho paz !

ERVINGIF

SEM TI...
Ferdinando©

Sem ti vazios eram os caminhos da vida,
o sol se esquecia de nascer cada manhã.
As rosas choravam silenciosas nos roseirais,
e o negrume assolava o meu enlutado viver!...

Os dias outonais cada vez sempre mais frios,
num murmurar tristonho dos segredos,
num silêncio maior do que as palavras,
saídas dos meus gestos de ansiedade...

Sem ti o nosso leito está mais frio!
No letargo das nossas horas ternas,
escondidas hoje atrás dos tempos,
numa soturnidade que agita a saudade...

 

5- O FINAL !
Ferdinando©

Já morreu o cenário da esperança,
A luz do sol, a cama do poente...
Ficou a injustiça como herança
Escondida aos olhos da nascente.

Nasceu a tempestade sem bonança
Numa voz que magoa inclemente,
Chora a brisa sobre a várzea mansa,
Em promessa que se faz doente...

Quando a noite fere o nosso olhar,
É o tempo que nos quer lembrar,
Que a vida se gasta num instante...

Avança o final da nossa caminhada,
 Memórias, sobre a pedra recalcada,
Onde o olhar da morte é viandante!

Germany 29-12-10


<<<<<<<<<<<<<

FINAIS E RECOMEÇOS
Odir, de passagem

O vento, de repente, fica mudo.
O mundo pára, enquanto segue em frente
nascentes passos, partos de mais gente
com mais urgências e mais conteúdo.

Somente, para um, o fim de tudo!
A árvore que tomba sem semente.
O coração bater não mais se sente.
Falência fulminante, infarto agudo!

Há círios fumegantes numa sala,
fereza de final como se fosse
expressamente proibida a fala!

Mas lá fora se acende o que apagou-se.
Falas, cantos, sorrisos se propala
versando a vida como é bela e doce!

JPessoa, 29.12.2010
 

6- DONAIRE
Ferdinando©

Silêncio de luz erguendo-se das trevas
nascida das espumas do Mar errante...
as Deusas soberbas foram tuas servas,
atrás do horizonte, em oblíquo distante.

Fizeram-te amor, ficado em cada peito
como o olhar em gesto pedindo vidas.
Volitam lendas, nascidos no teu leito
no pôr do Sol, em auroras repetidas!

Teu semblante, no anelo azul do infinito
ameno gesto, que chama como um grito
em sorrir de sonho, que desenha amor!...

A vida se tornará cinza, em frio jazigo
o ventre infindo das areias ficará contigo,
eternizando-te amanhecer de uma flor!

Germany 28-06-08




POR QUE FOSTE SER MAR?
Odir, de passagem
 
Por que foste ser mar, de mar afora,
sem avisos dos portos de chegada?
Por que para além-mar tu foste embora
na calada da noite, tão calada?

Esse mar que cruzei de foz em fora,
calou-se para mim, não me diz nada!
Somente, se me vê, nas ondas chora,
enquanto nele choro a madrugada!

Por que foste ser mar? Por que partiste
para o longe mais longe dos lugares
que nunca naveguei, que jamais viste?

Por que mandaste pena aos meus penares,
por que fizeste o mar chorar tão triste,
por que foste ser mar em outros mares?

JPessoa, 13.02.2011
oklima

 

7- Segredos e Perfume
(Rondel)
Maria Thereza Neves
 
Brincando com as palavras, sonhando,
 Nas entrelinhas segredos e perfume.
Aromas despertando, aconchegando ,
Carinhos marcados como um belo filme.
 
Momentos vivos fio a fio deslizando...
Compondo a doce sinfonia do romance.
Brincando com as palavras, sonhando,
 Nas entrelinhas segredos e perfume.
 
É tão doce retornar caminhando ...,
Dançado boleros,tangos imaginários ,
Crepúsculos ainda acendendo o mundo
Mesmo em versos tão contraditórios...,
Brincando com as palavras, sonhando.
 
Brasil-21/01/2011
****


SEGREDOS DAS PALAVRAS
(Poema)
Ferdinando

Brincando em segredo fui espreitar
Na calma que a vida adormecia...
No silêncio do teu quarto quis deixar
Tantos sonhos perfumados de magia.
 
A brincar com as estrelas fui feliz,
Num romance feito de algodão
Nas pródigas manhãs deixei raiz,
Transcendente no tempo e na razão.
 
Na ternura de beijos fui constante
Numa crença de sentir horas do sol.
No coração de tempo fui amante,
Dançante pela vida em arrebol.

Germany 22.02.10

 

8- Sou o teu poema...
Maria Thereza Neves

Que abre as portas do coração ,
Tuas janelas ,doces manhãs fascina ,
Lateja nas veias da noite com emoção.
Sombras que misturam, lua que alucina !

Sou os versos tecendo rendas,magias
Com insanas , insensatas loucuras ...
Acordando carícias todos teus dias,
Rimas com lembranças tão maduras!

São minhas,nossas palavras macias,
Sensuais, incendiavam como fósforos,
Queimavam com beijos, peles e poros.

Hoje, o relógio repete as horas ,
Traz de volta os tempos de outrora,
Os finais momentos de aurora ...

13/06/2011

 
ETERNIZEI O TEU POEMA
Ferdinando©
 
Quando te olhei na serra das paixão
Como o sol ridente em cada dia.
Fizemos da vida a crença e a razão...
Castidade branca, poema de magia.
 
Escrevi na carne quente do teu desejo,
Em secreta esperança que enlouquece
Quando o luar espreitava o nosso beijo,
Numa chama que anseia e aquece!
 
Guardo ainda o gosto dos teus versos
Lá cantam os amores mais diversos
 Em palavras que a noite incendiou...
 
Do jardim que adornemos no passado
Fica um longe mais perto recordado,
 Em romance que o tempo eternizou...
 
Germany 17-06-11

 

9- METAMORFOSE
Ferdinando©

As árvores se despem tristes
e a s raízes cavam mais fundo.
No figurino do medo e da distância,
mora a voz muda da nossa razão,
onde o território da alma se defende.

As aves planam um olhar ausente
sobre as pedras cansadas da idade,
caladas sobre o vermelho dos montes.
As rosas tristes já não se namoram,
nem se abraçam aos poemas...

Cada palavra fomentada de razões
adormece no vago, cansada e triste
sobre a terra húmida do nosso choro,
sem sinal de andorinhas de esperança
que não trouxeram a primavera.

O fadiga percorre o convés do corpo....
voamos para o final, adornando medos
dentro da insana carruagem do tempo!

Germany 10-07-11


****

METAMORFOSES DA MADRUGADA
Maria Thereza Neves

Voando na madrugada
no cinza quase preto
no frio que ultrapassava as vestes
penetrava no sentir da pele
e o olhar sempre a procura da beleza
no silêncio da escuridão
no percurso da madrugada.

A lua mostrou a cara cheia com rastros espalhando luzes
mas o sonho durou pouco neste caminhar do luar olhar
porque as portas do infinito se abriram
despencando chuvas sobre a terra
gotas da vida
apagando o negra noite, deixando viva a cor cinza .

A metamorfose continuou em cada passo
em cada estrada percorrida.
O sol espantou a chuva
apagou a lua
abraçou com seu calor a terra ainda adormecida
acordando os pardais
plantando cores arco-íris
ligando montanhas em esparsas nuvens
colorindo cristais nas mãos da poesia .

Juiz de Fora/MG/Brasil

 

10- VOLTARÁS ! 
Ferdinando©
Theca Angel

Partiste um dia, ficou a saudade
Chora o cais no largo dos ventos
Na haste sublime da vontade.
És a brisa para os meus lamentos

O que é a saudade senão tristeza
Por um sentir que o tempo levou
Fica no peito o ferrão da incerteza
A magoar o coração de quem amou.


Fito a larga dimensão da alvorada
Numa fé de te ver chegar um dia
Cursarei só, a minha caminhada
Abraçando-te no seio da magia.

A partida marca na alma o fim
Do que um dia pensou-se infinito
Ainda que, a esperança em mim
Seja indestrutivel, quase um mito.


O leito que deixas-te já está frio,
Mas permanece terno e macio,
Nas horas despertas de ansiedade.

Tento não pensar no que seria
Se o amor reconduzisse, um dia
O que foi passado ao presente.


Sei que voltas um dia ao anoitecer,
E em sonhos dourados vais nascer
Para vestires de amor a eternidade

Luto para tirar de minha mente
O sonho de amar a ti, somente...
Mas sinto meu esforço esmorecer!



Germany 18-09-11
Brasil 20-09-2011

 


 

 

LIVROVISITAS
ESTRELAAMARELA