À MINHA ESPOSA
© Ferdinando

Horas profundas, como o sol terminado
foram a melancolia no meu plangente sofrer!
Dias vãos, numa vida em lamurio contristado,
desejos de searas, do teu risonho amanhecer...

...hoje como recompensa da vida que eu pedia
meu viver se tornou... brilho de um paraíso!...
Beijamos o sol nas manhãs, ao nascer o dia
fervente bonança, que nos abraça num sorriso!

A acariciante realidade que se arvorou ridente
nos fundiu, em florida primavera permanente...
heroína que me trouxe o exemplo da verdade!...

Vences-te no pelejar do infortúnio desalento...
difundimos hoje na vida; - infinda voz do vento,
um transluzir cândido, como ridente felicidade!!...


Germany 21-02-08