ANALOGIA
©Ferdinando
 
Vista-se a distância no leito da igualdade
onde soa o idioma em vento magoado;
rasguem-se essências, feitas em vaidade
desenhada sombra, em granito cinzelado...
 
A solidão engana o tempo que não pára,
vagabundas memórias que há nos olhos...
figurando o entendimento em voz avara
como sombra a caminhar, entre abrolhos.
 
Neste pensamento em lume de desejos,
transformemos as lágrimas em beijos
e que o sol, retorne em  festivo olhar ...
 
Na expansão da alma, feita em cada Ser
desliza um rio, de amor para oferecer...
- não queiramos o coração para brincar !
 
Germany 15.06.08