CINZAS DO PASSADO
Ferdinando© 
 
Olvida para sempre a minha rua,
Senda onde vive o teu de ciúme
Esse amor ardera como o lume...
Agora sou só minha, não sou tua.
 
Meu coração é livre como a lua
Os dias são resto de um passado
Já não sou um rochedo magoado,
No meu peito nem saudade flutua...
 
Sou livre como brisa da nascente
Que abraça e afaga toda a gente
Sem oferecer nunca o coração.
 
Assim vivo feliz, com alegria,
Sepultei o passado de cada dia
Numa cinza dispersa pelo chão!
 
Germany 28-05-13