CIRANDA - TEMPO DE IR

POETAS PARTICIPANTES

1 - Marlene Constantino

2 - Ferdinando

3 - Yeda Araujo

4 - Tarcísio R. Costa

5 - José Ronaldo

6 - Anna Peralva

7 - Vírginia Maria

8 - Regina Bertoccelli

9 - José Ernesto

10 - Armando Sousa

11 - Gislaine Canales

12 - António Cícero

13 - Avany Morais

14 - Helena Luna

15 - Lígia Antunes

16 - Mádi

17 - Sérgio Guedes

18 - Bill Shalders

19 - Célia Jardim

20 - Leda Galvão

21 - Lourdes Forni

22 - Marcial Salaverry

23 - Thereza Neves

24 - Humberto Poeta

25 - Iza Mota

26 - Eire

27 - Marilda Almeida

28 - Ana M. Zacagnino

29 - Maria Regina Ribeiro

30 - Penhah Castro

31 - Benedita Azevedo

32 - Marcos Sérgio

33 - Manuela Neves

34 - Sueli E. Santo

35 - Suzette Duarte

36 - Roseli Scarparo

37 - Thereza Mattos

38 - Cibele Teixeira

39 - Pilar Casagrande

 

1 - TEMPO DE IR
*Marlene Constantino*

Idas sem despedidas
 não se findam as vindas
num eterno laço de Vidas

O que foi impresso
nas linhas da vida,
 tempo nenhum apaga,
porque foi escrito,
não com GIZ,
mas com traços de eternidade.
Encontros e Reencontros
existirão porque a vida
é um eterno vai e vem.

Entre o Sol e a Lua
há uma linha invisível
um caminho abstrato
que sustenta uma ligação
no espaço, assim como as
almas podem se unirem em laços
em amores impossíveis
ligados em Auras Eternas.

^A^¤Söl*®


bar8
 

2 - MEMÓRIAS
©Ferdinando

As idas ficam sempre presas à essência
em saudades soletradas em fogo e brado.

O gemido do passado vagueia entre nós
no voar dos tempos que escreve em elos
 nas rochas de paixão, sobre ressequido vento.
Em avanços e recuos a vida muda de palavras
mas não vence a amizade feita de lealdade.

Sobre o infindo, existe um caminhar para o existir
feito de soledades ficadas na vida, onde as almas
segredam idílios majestosos, em puridade ingénua...
sonhos por cá ficados em redor da nostalgia,
que grita eternamente em sentidos brados.

Germany 02-07-07

bar8
 

3 - A B R A M  A L A S
Yeda Araujo Pereira
 
Deixem-me passar...
com meus guardados,
meus achados,
minha saudade,
minhas euforias...
Meus sonhos de menina...
Minha história de mulher...
Deixem-me passar...
com meus anseios,
meus jeitos,
meus direitos
de escolher o que quiser,
sem importar qualquer coisa
que digam, por aí...
dos meus pesares,
minhas ilusões,
meus olhares...meus amores...
minhas ousadias de viver
enrodilhada nas paixões...
Paixão pelo passado
que não passa...
Paixão pelas alegrias
que não voltam...
Paixão pela vida... pela morte.
Abram alas...
Deixem-me passar...
E digam tão somente:
Boa sorte!

Yedaap@hotmail
Pelotas/RS/BR 


bar8
 

4 - DEGREDO DO AMOR QUE PARTIU
Tarcísio R. Costa

Ida sem sentido, sem despedidas,
Notícia triste, momento de dor,
A tarde chove lágrimas...
A falta daquele choroso amor,
Agora, ilusões perdidas...

Por que existe partida?
O amor deveria ser inseparável
Não é bom pensar-se em separação,
É um sofrer irreparável,
Que sofre o coração...

O amor fica nos refolhos,
Onde a alma esconde os seus segredos,
As partidas podem não ter retorno,
Mas, o coração é sempre o degredo
Do amor que partiu.

Tarcísio Ribeiro Costa
Brasília, 06.07.2007

 
bar8
 

5 - MUNDO
JRonaldo-JR
 
Ah! se eu pudesse "voar"
Iria um dia "criar"
Algo bem transcendente
Com todos sendo "gente".

Afastaria toda maldade
Para longe toda a vaidade
Egoismo...bem longe de tudo
Ah! seria outro "mundo".
 
Um "mundo" de paz e harmonia
Seria...como uma "magia"
Com todos se entendendo
E ninguém...sofrendo.
 
Seria pura "utopia"?
Ou chegará esse dia?
Eu creio no "criador"
Tudo irá ser "amor".
 
Há muito "espaço" no ar
E todos irão criar
Mundo...repleto de "harmonia"
Ah! IRÁ CHEGAR ESSE "DIA"


bar8
 

6 - PARTIDA
Anna Peralva

Eu parto com o vento que lá fora sopra...
Desfaço minha matéria, desato sentimentos
que aqui me prendem.
Dos lençóis da terra farei meu leito..
Desfeitos os fios de conexão
desta etapa, do amor, levarei saudades;
da dor, a paciência na espera da cura;
dos sonhos, ficarei com a essência
que por pura necessidade foi meu
açude no deserto da solidão nos fins
do meu tempo;
dos momentos aqui vividos, a certeza
da efemeridade e da minha finitude...
Após a desmaterialização, serei pó
que a brisa noturna dissolverá.
Mas na ventura das asas do mistério
que envolve este espaço, minha alma
viverá envolta na sensibilidade que a
manteve livre da insanidade.
Sempre a espera de novos plantios
e colheitas destes ciclos de aprendizagem:

VIDA,
MORTE,
ETERNIDADE...

RJ - BRASIL


bar8
 

7 - O AMOR PERCORRERÁ NO TEMPO.
Virgínia Maria
Estrela Azul

Ah! este campo de luzes ilimitado,
onde as nossas almas passeiam
como belas plumas das aves,
que atravessarão as claras nuvens,
num coração manso e tão azul,
deste nosso universo abençoado!.
Ah! mas que viagem encantadora,
de sonhos dourados e aprendizados,
o amor pelos quatro ventos é lançado
e a minha alma baila em regozijo,
nestes jardins daqui ou do outro lado...
Somos as crianças de Deus,
voaremos por indeterminadas direções,
somos as luzes das graciosas estrelas,
num caminho sem dimensão!
Seguiremos pelos suaves rastros,
"Daquele" que é a nossa luz e verdade,
dos seus pés, serenos e descalços,
o amor caminhará por nós...
sem tempo ou idades.


bar8
 

8 - DESPEDIDA
Regina Bertoccelli

 Estamos partindo...
Separando nossos corpos,
mudando o rumo de nossas vidas,
distanciando nossas almas,
mas sempre ligadas elas estarão
Podemos camuflar o momento,
mas não podemos alterar
a essência do sentimento...


bar8
 

9 - NÃO TE PREOCUPES ASSIM....
 José Ernesto Ferraresso
 
O Cosmo é extenso e infinito,
Cheio de belezas e tristezas,
De momentos alegres e saudosos
E só o tempo pode nos provar.
Temos momentos dolorosos,
Precisamos aceitar.
 
Não pense na partida ainda,
Nem mesmo na despedida,
Procure se preparar...
Não há como fugir, amiga,
Vamos todos passar por ela
E nossa sina é aceitar.
 
Prepare-se mas não se magoe,
Pense, reflita, acredite e creia
Não tema até o momento chegar,
Assim, você só irá se machucar,
Precisa apenas, saber acatar.
 
Este é o destino de todos,
Seja agora ou distante,
Não pense nele assim,
É hora de parar.
Deus proverá sua vida,
Só Ele sabe comandar..
 
Seja forte porque és capaz.
De acreditar em sua força, deixa-la fluir,
Exterminando seus dias tristes
E os alegres deixar vir.
 
Não trabalhe somente com o coração,
Use melhor o que você tem,
que é a razão.
E lembre-se da frase chavão:
-"Dias melhores virão".
 
 07/07/2007
 Serra Negra


bar8
 

10 - TEMPO DE IR ONDE?
 Armando Sousa

Tempo de estender o umbigo ao sol da manha?
Deixar entrar a luz e calor que te faz mulher
Mas embaixo do umbigo tens teu mana
Coisa deliciosa que todos os homens quer
Tempo de ir dar um abraço ou estender a mão?
Tempo de ir saindo da casa que fez crescer e te deu vida
Ou tempo de ir a quem ofendestes pedir perdão!...
Ou tempo de ir apanhar as baboseiras que deitas-te
Atropelando a gente estendidas pelo chão
Tempo de ir trabalhar fazendo teu dever?
Tempo de escola e ter educação
Ou queres tu dizer que e tempo desta vida desaprazer?
Entrando no seio da terra eu duro chão!..
 O amor verdadeiro nao faz doer
Nem dar beijos e estender macia mão
Tempo de ir mesmo que esteja a chover
Ou tempo de ir entregar teu coração!..
O tempo de ir e determinado por deus ou o destino
Estes determino o segundo hora e dia
Tempo de ir veio com nos em menino
Assim como foi agora tempo de esta poesia


bar8
 

Glosando Aderbal Melo
Gislaine Canales

11 - VIDA E MORTE
Gislaine Canales
 MOTE:

Não teme a morte temida
quem na vida não tem sorte:
Há tanta morte na vida
e há tanta vida na morte...

Não teme a morte temida
quem vive sozinho e triste,
pois sem amor, sem guarida,
somente o vazio existe!

Segue sempre em depressão,
quem na vida não tem sorte,
pois viver sem emoção
faz perder o próprio norte!

E vendo a razão vencida
sofremos pelo caminho...
Há tanta morte na vida
pela falta de carinho!

Devemos crer de verdade
na vida e no amor. Ser forte!
Pois vida é felicidade,
e há tanta vida na morte... 

 www.gislainecanales.com


bar8
 

12 - E ASSIM É A PARTIDA ETERNA
Antonio Cícero da Silva

Assim é a eterna partida
Pela qual iremos sem escolhas
Quer queira quer não
Cada um parte de uma maneira.

Não adianta ter medo
Do fantasma da morte
Que ao chegar o dia
Ele vem sem preguiça e harmonia.

Da morte ninguém escapa
Ela não respeita idade
Se não leva quando moço
Quando velho, quebranta até aos ossos.

E quando alguém parte
Dessa vida para a outra
Nem vem nos contar
Se gostou ou se ficou triste.

E a triste separação
Quebranta aos corações
Pela perca dos antequeridos
Que são tomados, até parece castigo...

http://antoniocicerodasilva.blog.terra.com.br


bar8
 

13 - PASSADO, PRESENTE... ETERNO
 Avany Morais

Partidas sem despedidas, sem adeus...
sem abraços, sem... sem lágrimas.
Quando o amor é eterno e vem de outras eras
para completar uma nova etapa, um novo cíclo...
E quando esta mesma etapa foge ao controle, talvez,
por livre arbítrio ou por um destino transcrito...
Não haverá uma ruptura total ou um ponto final.
 
Quem sabe a atitude de sair assim, sem deixar pista,
marcas das pegadas, foi um ato involuntário do destino?
Para deixar a porta aberta na espectativa de, um dia,
poder entrar sem precisar bater, matar a saudade
e sem fazer alarde, partir sem se deixar ver.
Nossos laços Vêm de um tempo longíquo, não é de agora!
Não acaba com um simples fechar de olhos, uma carência!
 
Nosso destino está escrito nas paredes do tempo,
armazenado na poeira dos séculos e registrado
nas pegadas deixadas nas estradas de nossas vidas.
O tempo nossa história escreveu, no livro da vida,
nas linhas tortuosas dos nossos destinos.
Nada poderá jamais apagar, nem mesmo o próprio tempo,
Nosso amor não teve início, nem meio e jamais terá fim.
 
Dói muito ficar sem poder ver, tocar, sentir...
Dói demais não poder ouvir sua voz manhosa...
Dói, não poder agraciar-me, com seu poetar...
Dói sim, não saber onde você está...
Com certeza haveremos de nos encontrar!...
Haverão outras eras, outros tempos...
Saberei esperar, sem pressa... Pressa, pra que?
 
Curitiba-PR
20h30min
08.07.2007


bar8
 

14 - RECRIAÇÃO
Helena Luna

O tempo de ir
não pode ser demarcado,
ele depende do fado
que nos foi dado viver.
Quando a noite escura e longa
baixa, enfim, a sua sombra
sobre o meu corpo desnudo,
eu me lembro de você.
E esse momento que escorre
descontrolado e aflito
é, pra mim, o mais bonito...
Pois recrio novamente,
de forma real e patente,
o momento mais preciso
que adentrei o Paraíso
e vi a face de Deus.


bar8
 

15 - AINDA É TEMPO DE IR
 Lígia Antunes

Tempo passado, presente, futuro?
Afinal, passamos qual o vento tempo afora
marcados por esse mesmo tempo a cada hora
 
No semblante, a evidência sempre nua
do que o tempo a todo tempo insinua
em cada face, em cada ruga, em cada riso
 
Tempo de ir... - Aonde? Que destino perseguir
se todo tempo é sempre vida, é menos vida,
se aleatório é o traçado a insistir?
 
Mas há um sonho que se espera alcançar
vencendo o tempo, os desafios, qualquer teste
cumprindo o pacto de amor que propuseste!
 
Pelotas, RS,BR
9.7.07 - 00:18


bar8
 

16 - TEMPO DE IR
@liosh@**/CIG@N@**

Tempo de ir...vir ..sair
Introspectar, viajar, esvoaçar
Em total contemplação ficar
Ao seu EU interior compenetrar
 
Direito de ir, vontade de ficar
E do tudo retirar o que é bom
Envolver-se no nada , reinventar
Ditar as regras , apresentar o tom
 
Cruzar inacessíveis portais
Regar os canteiros da alma
Buscar vitórias, escalar temporais
Deixar a corda bamba mais calma
 
Viandar, transcender a temporada
As ordens recebidas subverter
Perpretar a anamnese da vida
Apagar as palavras padecer, sofrer
 
Após o ritual de purificação, a ação
Desdobrar, revertendo papéis,ou não
Desfragmentar o tempo em vão
Presente, passado, futuro nas mãos
 
Traçar o itinerário necessário da vida
Indelével, sagrado, vital da história
Da liberdade na vida vivida, auferida
Inerente ao princípio da autonomia
 
O direito consagrado de sermos autores
Certo ou errado, o que nos convém ou não
Nosso destino escolher o caminho, amores
Navegar, posicionar em total abstração
 
Sonhar, pois os sonhos e as ilusões
São os alentos imparciais do nosso viver
Tempo de ir, sair de mim, buscar as paixões
Juntar o eu mais você, não fenecer
 
Bragança Paulista
08/07/07
23:40h


bar8
 

17 - SOMBRA DA ESPERANÇA
Sérgio Diniz Barros Guedes

Em teu fulgor
reina a paz,
perto dos teus olhos,
à distância...

O que eleva o semblante
da vida,
mesmo na partida
não há esquecimento.

Perto ou longe daqui,
te enxergo
através dos vitrais
do tempo,
que não apagam
o saldo do que se deixou.

Ternura nasceu,
ternura voou mundo afora,
mas na hora
dos vendavais e da chuva fina
que molha nossa roupa,
sempre sabemos onde conseguir
um aconchego.

O cimento da cidade,
arde a minha mente,
mas somente
o desafio para realização
de outros,
prende-me aqui.

Sou passageiro dos meus dias,
sombra do pecado da tecnologia,
esperando a hora
de ir embora
além mar,
onde se possa chegar
para um convívio simples,
junto com as lindas manhãs,
serenas tardes e brilhantes noites,
procurando a pureza do destino,
ouvindo ao longe o repicar do sino,
dizendo amém.

Porto Alegre - Brasil
http://br.geocities.com/sdbguedes


bar8
 

18 - TEMPO DE IR
Bill Shalders

Detesto todo e qualquer tempo de ir
Choro ao ver a aurora do dia chegar
Pois sei que nessa hora irás partir
Tenho de agüentar seu tempo de voltar

A Lua alva, triste vai se retirando
Como eu, não quer ver sua partida
O sol em brasas vem despertando
Tentativa de iluminar minha vida

Brisa forte vai levando meu amor
Vou sentindo tristeza sem fim
Ventania que me trás somente dor
Dilacerando pedaços de mim

Numa Vida impossível de aceitar
Entremeam-se tempos de te amar
Com espaços só para te esperar
Exigência difícil de acostumar

Numa triste espera de enlouquecer
Prefiro até do chicote um açoite
Enquanto passo o dia sem esquecer
Não quero te perder amada noite

Bom é ver suas estrelas a brilhar
Vagalumes do belo mundo onde estou
Predizendo tempo próprio para amar
Anunciam o amante da noite que eu sou

09.07.2007


bar8
 

19 - TEMPO DE PARTIR
Célia Jardim

Desta vida que aos poucos se vai
não lamento as horas passadas
nem temo o tempo que ainda não veio
Tudo tem começo, meio e fim
não sou em nada diferente
aceito o que for pra mim
Não tenho pressa de nada
vivo um minuto de cada vez
e sigo a minha estrada
E se minha hora é chegada
dou por fim minha jornada
entregando-me a Deus
Lá no final eu sei, alguém me espera
como um dia fui esperada
também aqui nesta terra

bar8 

20 - A DESPEDIDA DO POETA...
 Leda Galvão
 
Jamais escrevam meu necrológio.
 Os que amam a vida e a poesia
 como eu ressurgirão, sempre, a cada verso lido.
 
E de repente
quando alguém chegar e me disser:
- é hora -
será que direi: espera um pouco!
e tentarei desesperadamente ganhar tempo
falando sobre as mil coisas
que tenho planejadas
e que preciso fazer urgentemente.
Ou será que estenderei os braços
e direi: - Bendita sejas!
Chegaste bem na hora,
pois minha cabeça
é apenas suporte de cabelos brancos,
meus olhos cansados já não vêem,
minhas mãos pendem inertes, quase inúteis
e meus pés, exaustos, se recusam a caminhar.
Mas, se esse alguém chegar exatamente agora,
neste instante,
eu irei confiante
sem mágoas, sem rancor, quase sorrindo
prá terminar meus versos no Além...


bar8
 

21 - TEMPO DE IR
Lourdes Forni

Esquecer o passado
esquecer que um dia te amei.
Buscar novos horizontes,
olhar a lua, ver o por do sol.
Nova semente plantar
para um novo amor chegar.
 
Tempo de ir,
um novo tempo buscar,
amar, cantar, dançar.
Viver intensamente para
a felicidade encontrar.
 
(meu 1º texto)
09/07/07
São Paulo - SP


bar8
 

22 - TEMPO DE VIVER
Marcial Salaverry

Tempo existe para vivermos...
Existe para trabalharmos...
Precisamos ganhar para viver,
para de fome não morrer...
Existe para nos divertirmos,
para chorarmos... para rirmos...
Temos tempo até para preocupações,
até para magoar nossos corações...
Sobra tempo para nos exercitarmos,
para do físico cuidarmos...
Sobrará tempo para amar?
Esse tempo nunca pode faltar...
O amor, sempre algo nos traz...
Pode ser tristeza ou paz...
Mas de amar, deixar não podemos...
Por um ato de amor nascemos...
Em busca de um amor vivemos...
E quando o temos,
perdê-lo não podemos...
Se deixarmos nosso amor fugir,
de nossa a vida a alegria vai sumir...
Poderemos viver sem nosso amor...
Mas será uma vida sem calor...
Então, se nosso amor não nos amar...
e não o conseguirmos segurar...
Outro amor deveremos buscar...
Se nosso amor a outra amar,
em paz o deveremos deixar...
Não se manda no coração...
Não se comanda uma emoção...
Sempre haverá um alguém
para outro alguém...
Fica ruim a vida sem um amor...
Se "aquele", não for,
outro será... e a vida continua...
Essa é a verdade nua e crua...
Seja com um amor,
ou com muitos amores...
O coração precisa sempre alguém para amar,
para nunca deixar de funcionar...


bar8
 

23 - E VOU ...
Maria Thereza Neves

Vou me deixar levar pela rua
fazer com ela todas as curvas
dançar em todas as chuvas
fazer do sol meu girassol
subir todas as escadas 
escalar montanhas
 palavra por palavra
escorregar mil rampas
e esculpir nas rochas
letra a letra
 o encontro das sílabas
nos passos da poesia
da minha vida .

17/09/06


bar8
 

24 - RUÍNAS
(Humberto - Poeta)

 Por mim divinos sonhos vaporosos
passaram como nuvem fugidia;
passaram rubros lábios suspirosos,
que aos meus, ousadamente, comprimia!

Passaram corpos de prazer fogosos,
que em louco arroubo contra o meu premia,
crispando-os de arrepios voluptuosos,
em síncopes de estranha fantasia!

As paixões todas que gozei, contudo,
gastei sem duvidar que aquilo tudo
jamais findasse pela vida afora...

Mas o tempo, em tristíssimos contrastes,
transformou tudo aquilo em velhos trapos
que a vida aos poucos vai jogando fora!

bar8
 

25 - REMINISCÊNCIA
IZA MOTA
 
Num brado constante
buscando as lembranças
do que ficou distante
nas tranças das crianças
 
Traço retorica marcante
de momentos inesquecíveis
ponderando o banal e importante
nas tricheiras dos incoercíveis
 
São sentimentos de outrora
na gangorra dos imprevisÍveis
vindo de encontro com o agora
ruindo as muralhas dos insensiveis
 
Marcando as temporas da hora
cravo-me no deleite reprimido
em fusão da menina - senhora
a contra-tempo do que foi coibido
 
Recife-PE
www.izamota.recantodasletras.com.br


bar8
 

26 - TEMPO DE PARTIR...
Rosa Magaly Guimarães Lucas
- Eire

É quando chega ao fim um grande amor!
O coração no peito, esfarrapado,
Nosso desejo de viver, minguado,
A alma fragilizada pela dor...

O tempo atual já se torna passado...
 “É” se transforma tristemente em “FÔR”
Quando um sorriso já não tem mais cor.
E o olhar risonho se torna pesado...

Se de feliz se passa a sofredor,
Tendo em seu peito triste e arrasado,
Suspiro e pranto desanimador,
É tempo de partir... Fica avisado...
É quando chega ao fim um grande amor!

JULHO/2007


bar8
 

27 - PARTIR...
Marilda de Almeida

Partir desprovido de sentimentos, sem aviso,
Um ir sem mágoas, sem dor,
Apenas partir, para um outro plano,
Cheio de enigmas, deixando meu legado.

Uma partida talvez com idas e voltas,
Não posso dizer da hipótese ser, falsa ou
verdadeira, lógica ou científica.

Apenas partir, sem lágrimas,
Com o coração puro, levando amores,
Deixando saudades que com o tempo,
se petrificará, no peito e na alma.

Tampouco desdenho dessa ida, sei que
um dia acontecerá, não se tem escolha.
A luz divina que ilumina meu caminho,
me guiará ao ponto de chegada.

Mas partir um dia, se faz necessário,
o fio condutor será desligado, creio
firmemente, Deus estará segurando
minhas mãos, nesse novo caminho.

Seguirei meu destino deixando aos
que amo aqui a minha palavra, meus
versos e meus sonhos.


bar8
 

28 - Sorocaba- SP
09/07/2007

A MAMA
Ana María Zacagnino

Por el aire que acaricia…
tus mejillas al pasar.
Y los trinos de las aves
que murmuran sin cesar

Por tu gracia, tu talento...
... y por brindarme tu amor
siento que mi alma es grande,
y en ella siento al Señor

Es por todo que te hablo...
...Desde la tierra mamá.
A ti, que brillas y velas,
mis noches, mi despertar.

Son mías las palabras...
... Que dejaste en mi Ser.
Como tu bello rostro
¡¡Madre mía, MUJER!!

Buenos Aires-Argentina
www.zacagnino.com


bar8
 

29 - NÃO SEI SE QUERO IR...
Ciranda Tempo de Ir - Memórias
Maria Regina Moura Ribeiro

Eu não sei se é tempo de ir,
também não sei se é tempo de ficar?
Será que eu quero ir a algum lugar?
Se o meu corpo estiver cansado, eu vou.
Se eu quiser descansar o corpo, então eu não vou.

E o que diz a minha alma?
Preciso escutá-la com calma.
Se eu fôr, encontrarei meu filho,
meus pais e um montão de gente mais!!!
Se não fôr, ficarei com marido, filhas, netos,
irmãos e quem mais eu queira.

Mas, não vou mais pensar, não quero mais refletir...
O melhor é deixar Deus decidir.

São Paulo, 9 de julho de 2007
www.corujando.com.br

 
bar8
 

30 - QUE BOM SERIA....
by Penhah Castro
 
Que bom seria
se disséssemos adeus
ao passado, aos sonhos não realizados
e, felizes seguissemos o caminho
procurando um novo alvorecer....
 
Que bom seria se a cada despertar
pudéssemos ao menos contar
com um BomDia amigo
brincando, sorrindo
as alegrias da própria descoberta...
 
Que bom se tivéssemos a força
para sofrer os desencantos
e, que todo o pranto derramado
fosse um bálsamo para nossas vidas...

Que bom se chegado a hora do adeus
fechássemos os olhos simplesmente
despedindo desta vida docemente
consciente de um lindo renascer....

 

bar8 

 

31 - A PASSAGEM
Benedita Azevedo

Quando já se passaram muitos anos;
Deus vai nos preparando este caminho.
Não somente as tristezas, desenganos
Mas colocando a vida em desalinho.

Pouco a pouco as ações e atos humanos
Vai tirando de nós, também carinho.
Uma febril tristeza e desenganos
Transforma nossa vida em torvelinho.

Já não faz falta mais nossa presença
Somos transtornos sempre a qualquer hora
É melhor a partida que a doença.

Mas Deus nosso pai misericordioso
Vai nos mostrando aos poucos vida a fora
E nos dando a visão do eterno gozo.

Praia do Anil, Magé - RJ
10/07/2007
bsazevedorj@globo.com

bar8
 

32 - “PARTIDAS”
Marcos Sergio T. Lopes

Já se faz a hora
A vida te convida a ir embora.
Desate seus nós,
Limpe seus olhos,
Comece a caminhar.
Do agora, ficará a lembrança
Guardada dentro do peito.
Junte os beijos e abraços,
Os risos e agrados,
As palavras tantas...
O grito calado na garganta.
E vá.
Não olhe pra trás
Nem queira um tanto mais desse instante.
Nem tente adiar a tua ida
O tempo urge e te acena
Já se faz tarde
Uma nova jornada te espera.
Então junte tudo
Deixa o silencio falar mais alto
Enquanto você: calado
Começa a caminhar.
Assim é a vida:
Cheia de partidas
Mesmo que os olhos brilhem um pouco
E a lágrima teimosa ensaie o seu escorrer.
Amanhã estará em outro lugar,
Uma nova etapa,
Mais uma página...
Cheia de risos e lágrimas.
Até que a vida se aproxime de novo
E balbucie nos seus ouvidos: - A hora chegou.
Deixarás o coração de lado
Cederá a uma nova partida.

 11/07/2007


bar8
 

33 - PESADELO
Manuela Neves

Partiremos sós, sem nada, sem ninguém.
De corpo desnudo partiremos p’ró deserto,
Pró além!
Viveremos d’amor e água fresca.
Morreremos de fome.
Comeremos cactos, pedras, tudo o que nos surja.
Fugiremos sem ter de quem se fuja,
Sem ninguém que nos guie e que nos tome.
Seremos então iguais à fera besta,
O sangue ebulirá em cada artéria
Imploraremos um gole d’água fresca
E responder-nos-à só a miséria…

Sobre a toalha d’areia negra
O sol raiará p’ra nos mostrar
Tudo o que temos e tudo o que nos resta.
Teremos febre,
Escaldar-nos-à a testa!...
Alucinados, lábios frementes… rasgados,
Amaldiçoaremos o céu e as torrentes!

Partiremos sós, sem nada, sem ninguém.
De corpo desnudo, morreremos no deserto
Partindo p’ró além!...

 
bar8
 

34 - É TEMPO DE IR...
Sueli do Espírito Santo

É tempo de ir, para trás deixar
as ilusões e qualquer fantasia
preencher a minha alma vazia
pensar, refletir, tentar me achar

Alguns dos sonhos abandonar
sair das sombras da lembrança
do que era uma falsa esperança
 novos rumos buscar contornar

Antigas promessas...esquece-las
é hora de arrumar as novas malas
que se abram todas as belas alas
pois é tempo de ir para as estrelas

http://www.sue2001.recantodasletras.com.br


bar8
 

35 - TEMPO DE IR
Suzette Duarte
 
Tempo de ir , tempo de vir
Neste vaivém de nascer,
Entramos nele a sorrir,
Saimos dele sem crer.
 
Tempo leva-me contigo
Não me deixes, quero ir,
És o meu fiel amigo
No teu seio quero dormir!
 
Tempo de ir, é para já
Voltamos daqui a pouco,
Melhor que o tempo não há,
O mundo é que anda louco!
 
violetavioleta@sapo.pt

bar8 

36 - TEMPO DE IR E VIR
bY ROSELI SCARPARO

Tempo de ir de onde vim
voltar sem medo de deixar
resgatar o que deixei e vim
caminhar sem medo de voltar

Tempo de ir e viver feliz, onde deixei meu viver
vim longe e deixei por um tempo
procurei e não encontrei, deixei marcas e fui marcada
n'alma fica a beleza do viver

Tempo de ir com marcas de sonhos lindos
levo minha bagagem pesada de belas lembranças
as tristezas vividas, deixei no arco-iris
pra quando voltar, as encontrar coloridas
pela esperança do ir e vir e, pra sempre ser feliz.

bar8
 

37 - MINHA VIAGEM...
Thereza Mattos

É hora de partir...
chegou o esperado momento
abraçar a todos e me despedir
fazer a inevitável viagem
deixando meus sentimentos
meus enganos e desenganos
pesando em minha bagagem
durante todos esses anos...

Sem tirar meu passaporte
vou por terra, mar e ar
não sei os meios de transporte
sem comprar alguma passagem
nem reserva de lugar
Sem lenço e sem documentos
apenas contando com a sorte...

Se por trem, no último vagão
de costas para o meu destino
olhando de frente os trilhos
como linhas paralelas
sem quase nenhum brilho
encontrando-se no horizonte
pintado como uma aquarela
colorindo rios e montes...

Se por mar, numa caravela
levada ao sabor dos ventos
balançando suas velas
sem nenhum rumo certo
e em pleno mar aberto...

Não sei em que porto atracar
a procura de algum cais
talvez até possa encalhar
num lindo recife de corais...

Se por ar, numa nuvem rosa
refletindo o por do sol
tão bela, tão formosa
flutuando num céu azul
para meu pouso encontrar
bem ao norte ou talvez ao sul
mas sem pressa de chegar ...

bar8 

38 - TEMPO DE IR
Cibele Teixeira

Tempo de ir. Hora de seguir em frente,
de escolher o rumo a tomar
ou de se deixar levar, indiferente.

Qualquer que seja o caminho escolhido
ou a direção que nos foi apontada,
deixemos pra trás o que já foi vivido,
sigamos confiantes pela nova estrada.

bar8
 

39 - TEMPO DE PARTIR
Pilar Casagrande

Há tanto destino parado
Nos ponteiros que andam!
De tanto magoar,
Nos momentos de agonias;
De tanto carregar
A cruz de tantas vidas,
Eles mesmos já têm a forma
De uma cruz ou de um punhal
Que fere e mata no derradeiro instante.
Um sobre o outro, debruçados...
Como duas metades do tempo, dobradas...
Como um livro de horas,
De doze páginas, que se fechasse...
É tempo de partir!

www.clirc.com.br

 

LIVROVISITAS