DÚVIDA

Ferdinando©

 

No fruto das essências que amanhece a floração,

porque somos a sordidez que nos veste magros.

Esconde-se o sorriso que bafeje o nosso rosto

face de uma paz, na muralha apática do tempo

nos corações escuros, em trajectória de sombras.

 

Porque não fazemos o amor em elos de mãos dadas

ante o anoitecer gelado da inequidade das lendas

para que o nosso espaço, sejam horas de cantar

sem o negrume do horizonte, onde os pássaros choram...

que os braços se abram, e olhos digam mensagens.

 

Pintemos a voz de tinta nova, que a vida ganhe luz

onde transparecem cardos sobre o olhar dos dias.

De mármore, o infinito ficará mais perto dos sonhos

o nosso futuro sempre mais quente de esperança.

Como a distância sobre o olhar de quem tem crença.

 

Germany 21-02-09