ENTRELACES

1 - Ferdinando / Maria F. Morais

2 - Ferdinando / Penhah Castro

3 - Ferdinando / Marlene Constantino

4 - Ferdinando / Ange

5 - Ferdinando / Penhah Castro

6 - Ferdinando / Milamarian

7 - Ferdinando / Ange

8 - Ferdinando / Regina Bertocelli

9 - Adélia Mateus / Ferdinando

10 - Ferdinando /Ange

11 - Ferdinando / Mary Jenny

12 - Ferdinando / Milamarian

13 - Ferdinando / Raquel Caminha

14 - Ferdinando / Milamarian

15 - Noris Roberts / Ferdinando

16 - Ferdinando / Regina Bertocelli

17 - Victoria / Ferdinando

1 - ROSA BRANCA
® Ferdinando/MARIA FÁTIMA MORAIS

Recordo a rosa branca do passado
que me deste com carinho e com afeto
que chora na saudade, que me guia,
e mesmo secas suas pétalas pelo tempo
onde eu corria atrás da vida que fugia
correstes tanto, e eu aqui, em desalento,
no anseio de um sonho acordado.
a contemplava com o coração desperto.

Nesse amor que vivemos lado a lado
amor que em outras vidas, foi traçado,
nesse peito de afecto onde ascendia
queria ser em teu peito, a eterna namorada,
uma força que pulsava e que gemia
fando-te esquecer desilusão vivida no passado,
numa ilusão, feita em corpo desejado!!
dou-te a certeza de que sois, pelo meu corpo desejado.

Nos teus lábios macios como um beijo,
dou-te um beijo com meu toque de carmim
tornemos em realidade esse desejo
vivamos com sofreguidão a paixão e o desejo,
em linguagem de segredos sem ter fim...
venha e desvende meus segredos até o fim.

Hoje me olhas triste no vergel meditando
porque não me queres tanto mais ou quanto ?
como entardecida paixão que foi ficando...
a paixão tornou-se amor, quedei-me em prantos,
em magoadas pétalas, chorando por mim...
chorando o teu amor, eu me perdi.

Germany/Brasil

22-03-08

 

2 - TE ESPERO...
©Ferdinando/Penhah Castro
 
Nesse sorriso plantado em nossos lábios
feito no levedar angelical, do amor mais casto
ascendeu a vida nossos sonhos, que serpenteavam
alicerçando minha loucura no seio da vida incerta,
que fermentou a nascente do nosso amor liberto!

Aqui estou meu amor...
Tanto tempo esperei seu chamar...
Sempre acreditei merecer este amor sonhado...
Um amor esperado...
Um amor ousado!
Corajoso , determinado...


O furor que gritou em nós, a fervente hilaridade
emudecida em saudade que chora ainda no canto
do peito, feito madrugada em linguagem de segredos...
grito desenhando-me como escravo dos teus beijos,
feitiço que mareja o anseio das pétalas dos teu lábios.

Amor vim aportar no seu cais tranquilo
para meu barco abastecer
de muito amor, perdão, muita alegria,
de felicidade, de risos, de fantasias....
Tudo isso para compartilhar
nos momentos que seu coração fraquejar....


Volta! Seremos a eternidade acesa na voz do tempo
sedento de amorosa claridade, feita nas tuas palavras!
Plantarei em ti a luz que cala todos os medos de granito
seremos novo sonho, percorrendo a liberdade desmedida
como melódica canção do mar, em promessas de marés...

Vim e ficarei pela eternidade...
Trouxe o que preciso no armário da idade...
Juntei tudo o que tinha
e, com muita determinação
coloquei meu barco no mar....
Viajei, viajei!
Muitos dragões, enfrentei até aqui chegar...
Muitas tempestades, desafiei...
Mas depois das tempestades da vida
Brilha um sol intenso que mostra o caminho ...
E, mesmo no meio do escuro
eu posso sempre achar você, meu porto seguro....

Beijinho no coração
Penhah


Germany 17.08.07

 

3 - QUEM SOU?
©Ferdinando & Marlene Constantino

Sonho que penso no mar da esperança
mas a força do nada me devora!...
Sou flor ressequida pelo sol escaldante.

Penso ser nada, talvez eu seja tudo
neste vazio aonde tudo é gerado em mim


Algo que vagueia no escuro da vida
nas vagabundas memórias dos meus dias,
numa imaginação de ser alguém...
talvez um livro em branco só de esperanças,
pedindo algo á vida.

Mas a vida nos faz assim, paginas cheias
de lembrança carregadas de passagens
que não se apagam, circulam, vagueiam
em minha alma vivida. aí me sinto gente
me sinto criança sorridente para a vida.


Arvore débil,
nascida entre duas rochas,
sem uma gota de amor para me fortificar
sem a primavera para me colorir a vida.


Ah!! mas isto não me faz infecundo
quando me curvo caem os frutos
espalham-se as sementes e o solo florece.
e este canteiro vazio fica tão cheio de mim!!


Na crença destes versos que escrevo,
num horizonte de dúvidas e medos,
gritei exércitos de força e de esperança,
num anseio desejado de outros rumos...

e os anjos ouviram, me sacodiram, gritaram
a esperança em meu peito outrora triste


Lembrando as parcelas da saudade
nessas noites que foram madrugadas,
são hoje a ilusão de uma vida incerta...


em meios as minhas crenças e dúvidas
fizeram dos meus medos o inverso.
Certamente que o caminho é um desafio.

^A^Sol*

Germany/Brasil

4 - REENCONTRO COM A VIDA
©Ferdinando


4 - DEIXANDO A VIDA PASSAR
@nge


A vida traiu-me um dia na orla da mentira,
nas noites onde nascem sonhos mudos,
onde ventos choram delírios magoados
na sombra da ilusão feita em granito...
onde os pássaros perderam seu cantar.
Traiu a mim também !
Tantas magoas deixou..
nem mesmo chorar mais eu vou...
Pássaros ja não cantam mais
e nesse silêncio mudos não querem
presente meu dispertar.
Essa seara fantasma feita em oásis,
que torna a realidade opaca e cinzenta...
onde os riachos choram cansados
na íngreme ladeira que não vencem,
em murmúrios que a vida não entende!
Rios fluxo vazio de mim..
me encontro flutuando inérte
nem ao memos pensar.
Murmúrios num eco de "porques"
que a vida não entrende.
Hoje caminhando sempre em frente
voo silente em cavalgadas de audácia,
no anseio de um amor fiel como o sol...
na beleza imortal que aquece, os corações
gélidos, libertando-os dos sonhos sinistros!..
Ser nova vida sem improbabilidade dos medos
num desabrochar vencido na sordície da existência.
Amor fiel?
Nesse eu ja não acredito mais.
Quando mais acreditei nele,
tive prova que amor fiel não há.
Agora meu poetar só é feito no dedilhar,
dando rima, sem nenhum sentimento,
que no coração possa brotar...
Como podes ver...
tu esta de rencontro com a vida.
Eu ... apenas me deixo na vida passar


Alemanha/Brasil

5 - MEU RETRATO
©Ferdinando/Penhah Castro

Quando te fito, a saudade se senta a meu lado
e olhamos juntos a sombra do meu Ser
amarelecido pelo tempo, e vencido pelos anos
cavando em mim as rugas que moldam este rosto
numa mágoa, que ficara num esboço evasivo
num clamar de voz enrouquecida pela tormenta
só me fala agora, outra linguagem retractada em ti...
Ah! O encanto de estar vivo....
De ter toda uma saudade para recordar....
De ter um hoje pleno cheio de carinho....
Carinho que vem de tão longe...
Mas que o cobre com uma energia forte
Que se a cor pudesse ver
É cor de rosa ...A cor do amor.....
Um amor de irmão, de amigo
que você pode abrigar consigo...
E, sentir-se extasiado
como se um banquete o tivessem servido
que deixou seu coração repletode uma linda emoção.....
Vejo-me pálido, como o papel que fora outrora
colorido, nos verdes anos tão distantes que recordo
ainda, na saudade da poeira dos tempos que a vida não
alcança nunca mais, na trajectória de discursos mudos...
como o florir primaveril, que só me visitou para seguir
em horizontes de ilusão, e em punho de raiva!
Olhe-se no espelho da vida agora
veja as marcas da vitória
da qual você é herdeiro....
Olhe-se com um sorriso....
Veja a criança linda dentro de você...
Que está gritando " Vem me ver"
Veja-a , ela é sua emoção....
Não a deixe contaminar
com lembranças que o façam sofrer...
Inunde-a com a energia
que flui das suas fantasias
de muito amar ...De se doar!
Sou a vida no nascer do outono na fantástica noite
que atraiçoa sem palavras este meu Ser na nudez
que me arremessou na selva de cimento oblíquo...
serpenteando a vida ilusória que atanazou meus dias!...
Sou este retrato em sombra do passado, num tempo
de cinza da fogueira que aqueceu este meu sonho.

Varre da memória a tristeza inútil...
Tome uma dose de alegria pura...
Sorria...Sorria....Sorria...
Faz de conta que quem você ama
está ao seu lado agora
dizendo que o tempo passou
mas seu amor persistiu
apesar das suas rugas....
Apesar do seu desgaste
porque todos nós caminhamos
pela mesma estrada do tempo...

Alemanha 07.12.06/Brasil 07.12.06

6 - OUTROS DIAS
Ferdinando/Milamarian

Embrulhei meu passado nas horas do presente,
segui atalhos árduos como o tempo!
Nas distâncias de memórias que não morrem
de um navegar errante no ventre dos espaços,
entregue ao vento hostil das minhas esperanças...
Esperei-te em cada minuto deste meu sonho latente
nas infindas estradas em passos tão lentos!
Carregando-te envolto em lembranças que não escorrem
em um caminhar tortuoso que eu mesmo traço
nas folhas caídas das minhas andanças...
A vida atraiçoou minhas memórias sorridas,
adulterou os meus sonhos de haver sol
dando-me o cinzento espaço em que habitei...
onde o amor foi parcela inexistente
como caminhar para o abismo entre brumas.
O tempo cruzou minhas estórias vividas
arrancou minha esperança de outro arrebol
entregando-me o negro véu em que me deitei...
onde a tua ausência foi dor tão pungente
como espada atravessando o peito sem pressa alguma.
Espero que o aflorar do novo rumo seja coragem,
numa medusa brotando uma nova existência,
onde o raiar do sol, e o brincar das estrelas
me cheguem como o cantar das ninfas do distante
para esquecer os dias que mendiguei mentiras...
e encontrar-me a sós comigo mesmo!...
Hoje te espero no outono balouçando as ramagens
nas rubras folhas cobrindo o solo desta minha vivência,
onde a aurora é dourada e os sinos da nossa capela
badalam a melodia deste amor em mim habitante
renascendo as cores de tantas outras safiras...
e me levar de encontroa este meu sesmo!...

Alemanha /
Japão

7 - OUTROS DIAS
Ferdinando/Ange

Embrulhei meu passado nas horas do presente,
segui atalhos árduos como o tempo!
Embrulhado esta o passado,
doendo tanto nas horas do presente.
Nas distâncias de memórias que não morrem
de um navegar errante no ventre dos espaços,
entregue ao vento hostil das minhas esperanças...
Memórias que não morrem.
O vento hostil meus sonhos e esperanças
no espaço as brumas condenou
A vida atraiçoou minhas memórias sorridas,
adulterou os meus sonhos de haver sol
Não chores tuas memórias sorridas,
se a vida adulterou teus sonhos...
Os meus,o vento da vida levou...
dando-me o cinzento espaço em que habitei...
onde o amor foi parcela inexistente
como caminhar para o abismo entre brumas.
Dando me somente um cinzento viver sem ti.
Repleta de amor somente,
nas profundezas do abismo me encontro..

Espero que o aflorar do novo rumo seja coragem,
numa medusa brotando uma nova existência,
onde o raiar do sol, e o brincar das estrelas
Sem esperança,
ferida ainda tão sofrida...
Percebi que juramentos não tem valor!
me cheguem como o cantar das ninfas do distante
para esquecer os dias que mendiguei mentiras...
e encontrar-me a sós comigo mesmo!...
Nada espero da vida,
depois de vivido amor e em troca tive mentiras...
Da vida só espero a hora de minha partida.


Alemanha/ Brasil

8 - OUTROS DIAS
Ferdinando / Regina

Embrulhei meu passado nas horas do presente,
segui atalhos árduos como o tempo!
Nas distâncias de memórias que não morrem
de um navegar errante no ventre dos espaços,
entregue ao vento hostil das minhas esperanças...
Trouxe-me o vento a dor de tua alma
Indo ao teu encontro, vislumbrei
um novo porvir...
Ofereço a ti o melhor de mim
na trilha do bem querer...
A vida atraiçoou minhas memórias sorridas,
adulterou os meus sonhos de haver sol
dando-me o cinzento espaço em que habitei...
onde o amor foi parcela inexistente
como caminhar para o abismo entre brumas.
Na estrada de tua vida quero
contigo caminhar
Juntos, obstáculos removeremos
Confie em minha amizade,
em meu amor por ti
Espero que o aflorar do novo rumo seja coragem,
numa medusa brotando uma nova existência,
onde o raiar do sol, e o brincar das estrelas
me cheguem como o cantar das ninfas do distante
para esquecer os dias que mendiguei mentiras...
e encontrar-me a sós comigo mesmo!...
Teus dias terão a partir de hoje,
momentos inefáveis de alegrias e glórias
Teu passado distante, feito de lembranças
tristes, será olvidado
Um novo alvorecer espera por nós
Vem...

Alemanha / Brasil

 

9 - ALÉM DE MOMENTOS
Adelia Mateus /Ferdinando

Não quero só momentos loucos...
Quero momentos de amor.
Viver horas de prazer,
Numa aventura de desejos.

Quero-te como mulher,
Como amante e deusa querida,
Embora não resista aos desejos
Que a carne nos dirima!...

Quero sim...
Belos momentos de paixão
Sem lembranças do passado...
Dos tempos esquecidos...
Seremos amantes do presente,
Sem névoas do passado distante
Perdido nos tempos.
Quero...
Entrar no teu coração
Gravar lá meu nome...
E nele morar para sempre!!
já és a feiticeira do meu coração,
Onde o teu nome esta gravado
com letras flamejantes...
Quero o teu corpo livre!
Peregrino de amor, nas ruas do desejo
Disposto a dar-me tudo o que tu és...
Sentir toda a emoção desse prazer.
E no teu rasgado desejoso de prazer.
Seremos tudo o que desejas...
Fogueira enlouquecida do teu corpo,
Como pétals de sorriso que se abrem!
Dividir nossos corpos em loucura,
Como chama que corre em nossas veias,
Na ânsia do prazer mais terno...
Num fervilhar de dois corpos loucos.
Feitos em loucura, unidos pela chama,
Que devora, como a pura ansiedade
Que nos abrasa e enlouquece,
Na realidade desejada de te fazer minha...
Quero que este dia seja eterno!!!
Sem o sentenciar das horas e dos dias!!!

BRASIL / ALEMANHA

10 - OS VERSOS QUE TE ESCREVO
Ferdinando


10 - OS QUE TE DEIXO
Ange

Os versos que escrevo são choros da minha alma
na serra das lágrimas, na estrada da vida.
Versos são pérolas preciosas para guardares,
no sacrário do teu peito onde o amor habita,
num encanto exímio que permanece em ti.
Recebo teus versos repletos de lágrimas,
são pérolas que guardarei no meu peito
onde o amor habita...
Juntarei teus ao meus sentimentos.
Esses são os que te deixo.
Estes versos feitos de amor e de saudade,
cantados no distante pelas Deusas atrás das dunas,
são vida e desejo, prazer das horas e dos dias...
a brisa mais leve vinda dos infindos longes,
para beijar teu corpo e engravidá-lo de sorrisos....
Versos feitos de amor , saudades, desejos
iguais aos meus, fruto de horas passadas
que nas horas do presente sinto ainda...
Quero sentir teus beijos deslizar em meu corpo,
orvalhando amor, até de ti engravidar sorrisos...
Os meus versos são o fruto no prado da vida,
certeza de iniciar em ti a manhã de outros anseios
num caminhar abstruso, serei o grito grave
para alindar teus dias de horas mais azedas!
Golpear a sordidez que magoa o teu viver
estradar-te um porto para ancorar teus sonhos!..
Serei o silêncio alimentado nesse amor,
doce no teu amargor...
Não quero mais sonhar em nuvens passageiras.
Não quero mais amor de verão
Quero sim ter um porto seguro,
onde eu possa ancorar meus sonhos libertos
de magoas, recentimentos...
Quero engravidar tu'alma de amor por mim.
Quero um amor como meu amor !
Alemanha/ Brasil

11 - A BELEZA DO MEU SONHO
Ferdinando/Mary Jenny

A vida foi um sonho cada dia,
na orla da saudade de um passado
Desse amor recordo ainda tal beleza
como o beiral das rosas em flor!
onde as horas ficaram gravadas,
num viver, das auroras de cada manhã...
Que o tempo imortalizou em desejo
nos sonhos que vivemos hora a hora
Sonhei-te num mundo vestido de promessas,
Num amor acorrentado aos meus desejos
Hoje não sonhamos, vivemos lado a lado
nesse amor sempre mais forte do que a vida
num viver alentado pela ternura que me alimentou...
quando te trazia nos meus braços levemente
com a beldade infinda do amor que fomos!
Numa força de amar que nos alenta...
e nessas horas ternas nos teus braços,
como o mais terno desejo que nos agita.
Crepita ainda a saudade dessa fogueira
num badalar da angústia e do anseio,
em minha ambição de contínuo mutismo.
Serei o teu sol nos dias escuros da vida,
esse querer fiel que nos traz a felicidade,
numa força sempre constante que nos abraça...
Quero ser um eterno sonhador sem fronteiras,
para te fazer minha nas infindas horas do desejo,
sem a realidade primitiva de outros mundos...
Não sonhes amor eu sou a realidade!
A mulher fiel que te protege a cada hora,
amando-te até ao infindo dos nossos tempos...

Alemanha/England

12 - SEM TI...
Ferdinando & Milamarian

Sem ti vazios eram os caminhos da vida,
toscos e sombrios, eram somente folhas caídas
o sol se esquecia de nascer cada manhã
nem mesmo ao longe ouvia-se o canto do maracanã
As rosas choravam silenciosas nos roseirais,
a ausência de teus lindos madrigais
e o negrume assolava o meu enlutado viver!...
em cinzentos céus a solidão a me absorver
Os dias outonais cada vez sempre mais frios,
tristes, murchos botões em mim tão corredios
num murmurar tristonho dos segredos,
apenas um sussurro perdido no arvoredo
num silêncio maior do que as palavras,
dos teus versos de amor que a mim faltavam
saídas dos meus gestos convertidos...
neste corpo inerte pela solidão já combalido
Sem ti o nosso leito está mais frio!
nos lençóis é tua ausência que presencio
No letargo das nossas horas ternas,
quando em amor minha alma, subalterna
escondidas hoje atrás dos tempos,
em lembranças, o eterno sofrimento
numa soturnidade que agita o meu ciúme...
pairado no ar, no aroma de teu perfume.
Meus olhos...navios no distante,
fixos no infinito, fenecendo agonizantes
de todos os mares e de todas as rotas.
no nada que me domina e ao meu viver esgota
Rochedos de lágrimas salgadas,
nas águas que desabam nesta minha caminhada
como rios silenciosos de florestas virgens...
espelhando em meu leito apenas tua imagem
Não posso esquecer-te, se te amo ainda,
e minha vida à tua, feito mistério, não se deslinda
na eterna diligência dos meus dias...
roendo-me as entranhas, ainda a tua poesia
que prende a nossa força desmedida,
acorrentada nesta saudade tão sofrida
Numa lascívia doida de vertigens!...
esta volúpia abandonada que me aflige.

Alemanha/Japão

13 - Ferdinando/Raquel Caminha
Para os meus queridos leitores/as

Sonho que penso no mar da esperança...
Mas a força do nada me devora!...
Sou flor ressequida pelo sol escaldante...

Eu já não sonho, penso, vejo e amo o mar.
Tenho esperanças sim, pois essa
força de viver me faz a vida amar...
Algo que vagueia no escuro da vida...
Nas vagabundas memórias dos meus dias,
Numa imaginação de ser alguém...
Talvez um livro em branco só de esperanças,
Pedindo algo á vida...
Eu já imaginei ser um livro em branco,
sem memórias, mas minha imaginação
foi mais longe, devolveu-me a esperança
e arrancou-me da escuridão...
Arvore débil,
Nascida entre duas rochas,
Sem uma gota de amor para me fortificar...
Sem a primavera para me colorir a vida!...
Foi nesse impasse que eu me encontrava
e que com a força do amor me fortificou,
pude ver que a árvore nascida entre duas rochas
estava molhada de gotas de amor...
Na crença destes versos que escrevo,
Num horizonte de dúvidas e medos,
Gritei exércitos de força e de esperança,
Num anseio desejado de outros rumos...
Hoje já não escrevo com dúvidas,
posso olhar o horizonte sem medos,
gritar com todas as forças dos meus pulmões
que eu reencontrei meu rumo...
Lembrando as parcelas da saudade...
Nessas noites que foram madrugadas,
São hoje a ilusão de uma vida incerta...
Às lembranças são saudades.
Nesta noite eu me realizei,
as madrugadas são alegrias,
não são mais ilusão, e sim uma realidade.


Alemanha/Brasil

14 - OS NOSSOS DESEJOS
Ferdinando & Milamarian

A magia do teu olhar de mel,
é como fogo do sol no zénite!..
Nesta passagem da vida que idealizo,
Na nossa casa, tu e eu mais a paisagem...
No esplendor de colinas que alcançam os céus
entre mansas brumas o raiar de um novo arrebol
serão em cores transparentes, a fogueira do lumaréu
serei vermelho a cor da lua, tu serás azul a cor do sol.
Há magia de esperança a esvoaçar em ti!...
Rios de gestos e palavras,
na selva imensa dos sentidos,
no raiar da hora desejada!...
A última hora será sempre a primeira
em riachos insones escoando do amor o canto
entre adormecidas flores , sob aquela mesma palmeira
e dos lobos, o uivo à lua encoberto em nosso manto.
Os meus sonhos húmidos da tua carne,
sabe-me a beijos e desejos!...
Sinto-lhe a fragrância cálida,
como as primaveras sonhadas lado a lado...
Em perfume de acácias sobre a relva, esvoaçante
teus delírios aconchegados em meus seios
os pares carmim na minha alma arquejante
teu sabor de terra em meu solo, de permeio.
No estio, ante a nudez da vida,
faremos a luz em cada janela escura,
e em cada pedra o desabrochar do sol...
em cada peito triste uma canção de amor!
Na transparência de nossas almas em róseo tom
pelas diáfanas vidraças adentrará o mais belo rouxinol
e de nosso ninho de amor apenas um som
de corpos entrelaçados no compasso do bemol.
Entre as pétalas do teu sorriso meigo,
meu elixir louco de ternura...
Caminharemos para sempre na realidade,
da essência do nosso sonho...
No encanto de teu sereno semblante
com tuas asas de anjo, leva-me a flutuar
trilhando por tuas sendas aconchegantes
em vertigem, no devaneio do verbo amar.

Alemanha/Japão

15 - HOJE PROMETO TE AMAR
© Noris Roberts/
© Ferdinando

Hoje deposito em teus lábios
O beijo mas sagrado
Que de minha boca se escapou.
A pureza de seu mar agitado.
O sonho inimaginável.
A cálida preñez de meus olhos ao olhar-te.

Hoje te desejo no altivo das distâncias
no fervor desse beijo perdido dos teus lábios,
que fora sonho real na etnia dos meus desejos
e ambição de te amar nos sonhos de amor desperto...

Hoje prometo amar-te...
Ainda que seja por um instante
To expressa minha voz sollozante.
Hoje prometo amar-te...
Emoldurando a beleza do teu amor
Na pincelada que traça em seu lenço
O divino pintor.

Hoje te quero em horas ferventes de amor
como o mendigo o pão para viver
na ganância desmedida de te beijar...
mar de silêncio que grita dentro em mim,
como o regaço de beijos que me ofertas.

Hoje prometo amar-te...
Acalentando teu sorriso
No orvalho de uma flor,
Entrego-te minha alma
Para que sejamos um nas mãos de Deus

Hoje te encho as mãos de trigo louro
como rosa orvalhada em manhã primaveril,
que eu pinto na magia eterna de quem ama...
que sejas a celeste Deusa do meu estro
que me alicerça em cada amanhecer sombrio...

Hoje prometo amar-te...
Com a celeste polifonia de meus versos.
Com o celaje que se mexe no vento.
Com meus renovados pensamentos...
E é que à hora de amar-te
Diáfanos são meus sentimentos.

Quero-te quando a noite cobre a terra fria,
sinto fervente a efusão das nossas bocas,
estático horizonte da tua áurea juventude, que
frutifica as horas dos meus sonhos em realidade
infinda do quatro lábios eternamente unidos.

Sonho minha alma livre
Na gravidez crepuscular
Que me mostra o caminho ao altar.
Sou feliz...
Por que amanhã terei a teu lado
Um palácio de marfim.
Hoje prometo amar-te...

Venezuela/
Alemanha

pr_002_duetosfamosos

 16 - OUTROS DIAS
Ferdinando /
Regina

Embrulhei meu passado nas horas do presente,
segui atalhos árduos como o tempo!
Nas distâncias de memórias que não morrem
de um navegar errante no ventre dos espaços,
entregue ao vento hostil das minhas esperanças...
Trouxe-me o vento a dor de tua alma
Indo ao teu encontro, vislumbrei
um novo porvir...
Ofereço a ti o melhor de mim
na trilha do bem querer...
A vida atraiçoou minhas memórias sorridas,
adulterou os meus sonhos de haver sol
dando-me o cinzento espaço em que habitei...
onde o amor foi parcela inexistente
como caminhar para o abismo entre brumas.
Na estrada de tua vida quero
contigo caminhar
Juntos, obstáculos removeremos
Confie em minha amizade,
em meu amor por ti
Espero que o aflorar do novo rumo seja coragem,
numa medusa brotando uma nova existência,
onde o raiar do sol, e o brincar das estrelas
me cheguem como o cantar das ninfas do distante
para esquecer os dias que mendiguei mentiras...
e encontrar-me a sós comigo mesmo!...
Teus dias terão a partir de hoje,
momentos inefáveis de alegrias e glórias
Teu passado distante, feito de lembranças
tristes, será olvidado
Um novo alvorecer espera por nós
Vem...

Germany / Brasil

 

17 - INQUIETANTE MIRADA / NO MEU SONHO
©Victoria / ©Ferdinando

Soy la inquietante mirada de una mujer
que sonriente avanza hacia ti con belleza
indolente con mi cuerpo de música divina
una profunda y fecunda que con sutileza
te ofrece y permanece deseando tu querer

És o céu em sonhos que no coração das horas
me inebria, feita linguagem em divinal canto
como a beleza, do sonhar dos anjos em sons
angelicais em beldade divinal, trazendo
até mim a magia que torna frágil o meu corpo 


Brillan mis ojos claros como mi piel
para que tu dichoso glorifiques con miel
en toques que invoquen fuerza como amor
ahora avanza tu hacia mi e imprime ardor
el triunfo de tu pasión con delirio y furor

No teu olhar cândido como a tua pele casta,
clareada nos gritos que se perdem pela noite
em constante força, que nascem em meu sorrir
cativando a energia vinda de ti, e ternamente
 em sonhos de luar, ofertar-te o meu afecto

Balancéate armoniosamente y nada en mi
en este edén que te ama, te llama y que te di
gira en torno mío y pálpame,
 transítame invítame a sentir con ese deseo
tuyo amoroso y seductor llévame jadeante a ese paraíso
 amante traductor

 Caminho com fiel ternura e harmonia, sobre a voz
que me chama vinda em magia do teu corpo de mulher
que grita em meu peito, sentindo desejo amoroso
vestida em mundos de palavras ternas, em promessas
num imaginário paraíso dos amantes em liberdade

Usa mi libre albedrío y derrama en mi tu río
y en mis islas secretas decreta lo que deseas hacer y con
 suspiros de un corazón profundo
déjame tu mundo en besos y caricias y en secreto
avanza transido bebiendo mi nectar que correcto
encaja perfecto

desfrutando a liberdade do teu paraíso que grita
nas distantes dunas , onde o cantar das ninfas
saído dos meus gestos convertidos em segredos!
Deixar-te-ei a carícia dos meus beijos desejados
como tudo que me inebria, no fantasiar dos sonhos

©Victoria Lucía Aristizábal Betancourt©
Medellin - Colombia - Bogotá
Agosto 25 de 2007/ Germany 27-08-07

 

rosadourada