ERRANTEMOLDURA1

ERRANTE
©Ferdinando

Submerso vivi na sombra em cada dia
neste palco imenso, baço e sem futuro!
Abandonou-me um dia o amor e a alegria
na fria linguagem que me fez maduro...

A vaidade foi a farsa que mentia
severo negrume feito em sol puro
e correndo atrás do tempo que fugia
em todo o lado via o mesmo muro...

No ventre que gerou esta vida incerta
existe ainda a desmedida porta aberta
que elege a ambição de uma saudade...

No batalhar do tempo onde vivi errante
dilacerada exclamação a pedir constante
o liberto colorido da felicidade!

Germany 09-11-07

 

BRILHANTE