AUTOR1

FARSA DA VIDA
©Ferdinando

No carpir dos dias ficaram doces auroras,
marginal aliciante onde correram os meus dias
bailarino dos ventos, como folha abandonada,
resto de nada, palavras ditas e ficadas no vazio...
deserto árido sobre a selva do meu peito cansado.

Fui um louco sonhador de promessas emudecidas
que ficaram sempre em arraial da ficção, sabendo
a enganos que saltitavam sobre os meus olhos
num caminhar cinzento que me cobria de nadas,
 festim feito de madrugada, onde o dia não nasceu!

Da tragédia do meu Ser, nasceu um holocausto
de incertezas, que sempre atraiçoou minha memória
na leveza das histórias em festividade agressiva!
Subsiste somente um suavizar em sabor de farsa
pisando meu peito, solenizando a acre hipocrisia.


Germany 03-08-07

 

 

rosadourada