HINO DA INDIFERENÇA
Ferdinando© 
 
De que valem anseios sem calor
Vestir as palavras sem verdade,
Esconder o amor e a bondade
No recanto sem sol, feito de dor
 
Esta seara se penteia já sem cor
Onde se queima o pão da caridade,
Num gesto convertido de saudade
Tremulam meus lábios de pudor...
 
Queria ser o luar em brilho louco
Abraçar o infinito mais um pouco
Com a crença branca da realidade!
 
Os meus olhos a pedir nascentes
Na fusão dos corações contentes,
Onde germine a raiz da amizade...
 
Germany  21-11-13