INCERTEZA...
Ferdinando©
 
O vento geme sobre o alongado cipreste
Que se esconde por detrás das casas,
Filtrando raios de sol e desespero,
Nas horas escritas dos nossos dias,
Paradas na noite, onde insectos falam.
 
Nas ruas tingidas do nosso sangue,
Morreram promessas de cidades
Em cada minuto, feito de criança.
 
Inventam-se jornadas sem futuro,
Que magoam a nossa magra esperança.
Tantos gritos em progresso primitivo,
De histórias repetidas de façanhas.
 
Fala o homem sobre o rubro do mundo
Onde se desata o espanto do meu gesto...
Ante a primavera que não chegou a florir,
Pois as rosas nasceram desfolhadas!
 
Germany 03-10-10