MACIEZ DA VIDA
©Ferdinando

Quando despontas risonha no distante
como fogueira, para as ornadas memórias.
Despertas saudades... - bradar constante...
cujo a persistência, coroada de vitórias.

Irmanas-te ao exímio caminhar das vagas,
terminologia insolente, em olhar ocidental.
Trajectória do sol que chora nas fragas...
e beija os sonhos que ficaram no sarçal!...

Fervente o teu corpo, gracioso sem limite
no coração dos rios, em cantar que insiste
- pura subtileza que só na divindade habita...

Harmonia que norteia o teu áureo caminhar
flamante mulher, como a ternura, a povoar...
num ardente enleio... vencedora da desdita!!

 
Germany 28-02-08