MEU BRADO
©Ferdinando

Fui a ingénua aspiração de um desejoso
magoado alvorecer, como o sol no temporal.
Brindei laudatório no templo;- gesto imperioso
que cintilava, quão ternos sonhos de cristal!..

Fui a primavera que as Deusas decoravam
num festim de mimos... da brisa caminhante,
fogosos beijos, que os lábios enfeitavam!...
Fui oceano de amores ficados no distante.

Vivo o que não sou: - mero sonho atrás ficado...
sou agora sofrer, que ficou em mim gravado!.
Mágoa que margina... horas de soturnidade!...

... vislumbre dessa chama que hoje reascendeu,
alenta esta cansada voz que ainda não morreu: -
- para proclamar à vida, a desmedida lealdade!!

Germany 23.02.07