PERSISTENTE
Ferdinando ©  
 
Cantei uma seara de virtudes
Gritei à vida palavras de amor,
Abracei cada peito feito em dor
Corri nos rios, e saltei açudes...
 
Cursei ante o grito da verdade,
Falei ao carácter da hipocrisia
Dei calma à magoada maresia
Fiz de luz, a escura humanidade...
 
De tanto que fizera nada vejo,
Apenas a estátua de um desejo
Que eu penteio em sonhos ledos
 
Fui vencido, mas cantarei futuro
Não ficarei na sombra de um muro
Onde germinam dúvidas e medos...
 
Germany 17-01-2013