POETA
© Ferdinando

Brademos bem alto a voz da liberdade!
Caminhemos contra a barreira destruidora
semeemos o amor, nas ruas mais escuras
aniquilando as assassinas máquinas de aço.

Sobre o fogo que nos verga, punhal que nos corta
gritemos no vago do abismo da tremente terra
na noite que pulsa e geme, inconfessos dias...
dilatado pasmo sobre a nudez da alma sem sol!

Digamos não à guerra!... Ao terror crescente
plantemos a árvore do amor em cada esquina
em pétalas de primavera, ornando as ruas tristes...

Cantemos nossos versos na montanha mais alta
para que ao som desta fortaleza que nos alimenta
desponte o raiar da vida, com a voz da felicidade!

Germany 18.10.07

 

rosadourada