FUNDOPORTADASAUDADE

 PORTA DA SAUDADE
Ferdinando

Bati um dia à porta da saudade
Para ver os amores que guardava
Olhou- me, e vi que era verdade,
A face que eu tanto imaginava!

Acedeu-me em gesto de bondade...
Ridente como o modo que falava,
Só o cintilar do sol a namorava
Ante o calado tempo sem idade!...

Embora velhinha, nunca és distante...
Sei que chegas alegre a cada instante
Como o sol de um sonho de criança.

És o futuro acenando para a vida,
A crença de uma aurora prometida
Que aquece os dias da esperança!

Germany 01-08.14

 

rosadourada