PROMISSÃO
Ferdinando©
 
Empresto-te o meu sorriso, pobre vida
E o estrelar dos meus versos de cetim,
Planto alegria na berma mais esquecida,
Onde o fatalismo se ateia sem ter fim....
 
Depois te alento na curva da estrada
Onde tudo chora, e tudo acaba em dor
Mostro-te que no longe da caminhada
Há uma estrada onde caminha só amor...
 
E depois, sobre os elos de uma crença
Não haverá intempérie que nos vença,
Perpetuaremos o luzeiro da verdade.
 
A manhã vai rasgar a incerta escuridão
Os seios das campinas já terão mais pão
Para ofertares, pela mão da caridade.
 
Germany 11-01-11