QUANTO TEMPO TEM O TEMPO???
© Ferdinando

Comi o pão duro e salgado, amassado com lágrimas,
mas corria alegre à margem dos rios
que sepenteavam pelo prado, seguindo para a foz.
Cantei meus sonhos a par da liberdade,
numa amplidão casta, na margem da bonança!

Em cada flor ficava absorto e banzando
como magia da mais pressagiada tela da vida...
como indagador feliz, deliberarva a natureza bela.

Tudo distante, como ciriais candeias que arderam,
é hoje um tumulto cavalgar da vida obscura...
...denso nevoeiro da paisagem demudando a colina
tornando-a cinzenta como o ditar do suplício,
como o fruto maduro em inominável deserto,
que magoa sonhos de granito, em sol de remissão!!

...Hoje sinto saudades do pão duro e salgado.
Era feliz nas tardes verdes de musgo semeado nos
meus olhos! Prados que perderam o verdejar fértil
rios ressequidos de angústia, onde peixes morreram.

Os pássaros emudeceram seus cantos, vestindo
a medusa do tempo, feito de brados e soluços...
a antologia das essências feita na languidez da vida,
asseada de memórias, em gritos semeados...

Germany 23.01.08