VOZ DA MINHA ALMA
®Ferdinando

Nas horas que mediram o sol dos meus dias,
ficou distante o embalo de cantados sonhos
como infindo rosário de palavras em magias,
paisagem de néctar, horizontes mais risonhos.

Apregoa dias rudes debruçados no passado
carpindo na noite insone, no calar da frialdade:-
-como seio do anoitecer que chora contristado...
pasmo de estátua! Fadário que implora caridade...

Esse sentenciar que ri, alegra à minha porta
quando eu me recolho no cair da hora morta,
em desprendido pranto, alternado em magia...

Tua voz! Magoado sol a marmorear da minha vida
no mundo do meu etéreo, em aurora prometida
peregrinas promessas... universo de fantasia!

Germany 27-03-08