E a Noite fez-se Dia

...E a noite fez-se dia.                                 O pesadelo tormentoso implodiu                   Na dormência interrompida,                         Pela claridade de um sol reinventado.            O claustro nocturno abriu-se ao mundo          Onde a agitação da urbe,                           Não permite a sólida reclusão.                     A multidão abala os meus sentidos,             Incrédulos, vacilantes, proibidos,                 Ansiosos de uma vã libertação.                     A cidade imensa reprime o meu compasso     Obrigando-o ao seu ritmo desumanizado.       E eu, que nada sei, apenas sou                   Aquela que anseia liberdade,                       Longe do claustro nocturno que invento         Longe da urbe que poibe a solidão.               Algures num espaço imaginado,                    Coabitam a serenidade e a agitação             E nesse espaço sou então presente,             Os meus sentido derraman-se sem impedimento                                            Ao encontro do pulsar da multidão.  

Paula Matos - Lisboa